domingo, 14 de janeiro de 2018

O Futuro ...

Todas as profissões têm dias bons e dias maus...
Bons e maus profissionais.
Bons e maus colegas.
Separar uns dos outros não é tarefa fácil.

Dar explicações está bem longe de ser a minha profissão de sonho, mas foi onde a vida me trouxe... e tento mesmo o melhor que posso.

Hoje em dia tento filtrar preguiçosos, e pessoas que só querem explicações para não ter de estudar em casa, mas de vez em quando há um que escapa ao filtro.

Pessoas que não gostam de Matemática... vade retro...
Não sei mesmo se consigo aguentar isto por muito mais tempo.

sábado, 13 de janeiro de 2018

Decisões difíceis...

"Ás vezes as únicas opções que tens são más, mas mesmo assim tens de escolher."
A frase veio do próprio personagem Doctor, num episódio de Doctor Who.(Série 8 episódio 8...desde 2005)

É uma série... É ficção, mas é bem verdade. Já por várias vezes estive numa situação destas.
Escolher a opção menos má, não é tarefa fácil.

E esperar que os outros compreendam, ainda menos.
Esses só têm uma coisa a perceber: quem teve de tomar a decisão, fui eu!

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Erros que se repetem...

Somos humanos.
Comentemos erros...
Repetimos os mesmos erros... e só "acordamos" depois de os cometer.
Cometemos novos erros...
Até somos reconhecidos pelos nossos erros.
Há quem nunca reconheça e nunca admita os erros que cometeu, nunca se emende... prejudicando as pessoas à sua volta.

A capacidade de não repetir alguns, torna certas pessoas em seres superiores.

Eu também cometo... e repito erros. Pode ser que um dia aprenda...
Pode ser que um dia me aproxime da superioridade.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Ossos do ofício (VIII) : os limites do que se pode fazer

É́ difícil ajudar quem não quer ajuda.
"Eu só tenho explicações por vontade dos meus pais".
"Tenho explicações porque não estudo em casa"
(E outras que não quero recordar)
Até onde é que se pode ir?
No passado, professores a quem eu pus uma dúvida e me responderam com você deu na cadeira 'X' rapidamente caíram na minha consideração. Dei-me ao trabalho de confirmar ou que tal assunto não constava de tal cadeira, ou pior, que tal cadeira não existia há anos... fizeram-me deixar de confiar neles para esclarecimento de dúvidas.
E até hoje em dia, continuo a considerá-los péssimos profissionais.
Aqui, o problema é outro: como se conquista a confiança de quem nunca confiou em nós?
A resposta é simples: "explicações não são para quem precisa, são para quem quer"...
Porque eu não posso nem quero ter de me impor.
Por vezes, tenho mesmo de perguntar: "Confias em mim?".
E não é um "sim" da boca para fora que me convence...
Este blog recusa-se a utilizar o Acordo Ortográfico de 1990