sábado, 31 de dezembro de 2011

"It is possible to commit no mistakes and still lose. That is not a weakness, that is life."
Jean-Luc Picard
Star Trek - The Next Generation.
Season 2 Episode 21: Peak Performance

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Numa festa...

Numa festa, dada por Plutão, onde estão reunídos os seus antigos colegas, os actuais 8 planetas do sistema Solar, o planeta mais tristonho é a Terra.
Vénus pergunta-lhe o que se passa.
A Terra responde que tem uma parasitose chamada humanidade.
Júpiter pergunta se é contagioso,
Marte responde: "Espero que não".

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Olá a todos...



"Olá a todos, sejam bem vindos ao meu canal do youtube!
Nesta ocasião particular quero desejar a todos um
Feliz Natal.
Boas Festas,
e, apesar de todos os profetas da desgraça,
que 2012 seja bem melhor que 2011"


Inicialmente, a ideia era deixar o vídeo só em privado no meu canal do youtube...
Mas, a falta de inspiração faz com que esta mensagem seja também colocada aqui, como mais uma CarlosPaulice.

Boas Festas!


PS: "Nesta ocasião particular"= Não me perguntem o que se passava pela cabeça daquele meu clone porque eu também não sei...

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Um ano para esquecer...

Se mudando de ano a vida mudasse... Eu gostaria que 2011 chegasse ao fim bem depressa.
No entanto, não há nada que suporte cientificamente a crença popular "ano novo, vida nova"...
Aliás, os últimos 10 anos da minha vida devem servir como contra-exemplo para essa crença.
Mas 2011 foi particularmente mau.
Mortes de familiares, internamentos graças a sérios problemas de saúde, e o "fim" da minha carreira académica.
Como consolo disse-me o meu antigo professor, colega e amigo professor Dinis Pestana :
"Espero que continues de algum modo, uma vez que não é necessário ter nenhum grau para se ser um Ramanujan."
Deixei "fim" entre aspas, pela simples razão que, como qualquer mortal, não sei o que me espera o futuro.
A verdade é que...
Estou farto de ser limitado pela arrogância, e ideias pré-concebidas de pessoas que por trabalhar em ciência deviam saber que "certeza" é uma coisa que não devia existir.
Estou farto de ter de contar os tostões para viver.
Estou farto de ver políticos a mentir, roubar, e anunciar austeridades impunemente.
Estou farto de uma comunicação social parcial que nos atira constantemente areia para os olhos em vez de falar de assuntos realmente importantes.
Estou farto de pessoas que fazem questão de se meter na minha vida sem fazer ideia do que tem sido a minha vida.
Estou farto de ter razões de queixa... (E SIM, eu tenho mesmo... e muitas)
Estou farto dos meus problemas de saúde.
Estou farto do mau nome que a Matemática tem, quando de facto, o mau nome deve-se a maus profissionais e a maus alunos.
...
Que venha 2012...
O fim do mundo?
O meu mundo já acabou algumas vezes... Se 2012 for o fim do mundo, é só mais um.

2011 foi tão mau que dá para contar pelos dedos de uma mão os momentos bons e ainda sobram dedos...

2011 foi um ano para esquecer.
Será que 2012 será assim tão mau? Pelo menos eu, estou disposto a dar-lhe uma hipótese...

[Que remédio, não é? A menos que eu arranje uma máquina do tempo, não tenho como saltar directamente para 2013 ou 2014]

Posso não precisar de um grau... mas preciso de ver dinheiro a entrar na minha conta...

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

O azar faz parte da vida.

Conhecem aquela a sensação de ter uma pessoa a dar-vos palpites ou a julgar-vos pelas decisões que tiveram de tomar na vida?
Obviamente se as pessoas soubessem com antecedência o que ia acontecer após tomar certas decisões, provavelmente não as teriam tomado.
Cada um de nós teve experiências únicas que acabaram por modelar quem somos e a nossa forma de agir perante as situações.
Por isso, muitas vezes o que me apetece dizer a certas pessoas é algo do tipo:
"Com todo o respeito que mereces: e se fosses à merda?"
ou um mais simples;
"Mete-te na tua vida: eu fiz o que tinha a fazer e acabou".
É como vocês fazerem uma aposta (2 euros) no euromilhões, não sair, e depois vir alguém criticar-vos por terem escolhido os números errados!
Mas eu, por norma, mesmo que apeteça muito, evito insultar as pessoas, e quando se tornam muito chatas, começo a evitá-las.

A vida não traz livro de instrucções. Cada um vive como pode e consegue, de acordo com a sorte ou o azar que vai tendo na vida.
No entanto, há quem deva ser chamado à atenção.
Quem, por estupidez, mesquinhez ou arrogância, complique, estrague ou destrua a vida dos outros, deve ser responsabilizado...

Por exemplo, no meu caso, quem são as pessoas para me apontar o dedo se por exemplo eu me recusar a voltar a por os pés na UMa em certas circunstancias, a regressar à fcul ou, tiver abandonado dois mestrados?
Certas decisões não foram nada fáceis, outras resumem-se a uma questão de não querer voltar a ter seja o que for com pessoas que perderam a minha confiança e o meu respeito.

Se com isso estou a complicar a minha vida?.. A minha vida já é bem bem complicada e que sabem as pessoas dela? as pessoas sabem o que eu quiser que elas saibam, e fora disso sobram boatos.

Como encontrei há dias no facebook:

Sim... eu desisti de 2 mestrados.Não me arrependo. E depois? Mas também deixo bem claro, que o principal problema foi sempre a estupidez de pessoas, e não os meus vários problemas de saúde.

O azar faz parte da vida.
Respeitem as pessoas e suas decisões.
Isto é algo que já estou farto de dizer, mesmo aqui, neste blog... embora de outras formas.
Deixem os juizos lá para Deus, se forem crentes, e se não forem, pensem na (mesmo que longíqua) hipótese de estarem enganados e serem julgados pelo Deus que vocês sempre afirmaram não existir.

Até à próxima.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

This is my story

Hoje, partilho este link.
É um link com piada, gravado num universo paralelo. Neste em que vivemos, o meu destino é bem mais humilde.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Facebook: Comportamentos e atitudes

Desde que criei a minha conta no facebook, já vi de tudo.

Por norma só aceito "pedidos de amizade" de pessoas que conheço pessoalmente, mas esse critério é muito discutível, mas provavelmente o mais seguro, por razões óbvias.
Há aqueles que aceitam toda a gente, principalmente para terem parceiros nos vários jogos do facebook, e aqueles que têm várias contas onde têm critérios de selecção distintos em cada conta...

Depois há aqueles que publicam todo o tipo de conteúdos no facebook, sem ter cuidado em filtrar as pessoas para quem os conteúdos deviam estar disponíveis. Ou seja, podemos chegar a ver detalhes que deviam ser pessoais e que se calhar não deviam ser-nos mostrados.

Por outro lado o facebook de vez em quando sofre alterações e as próprias definições de privacidade são postas em cheque.

Fora todos os problemas ligados a este analfabetismo infelizmente comum nas redes sociais. convém não esquecer que há pessoas que são simplesmente parvas, sejam elas nossos amigos ou perfeitos desconhecidos, como podemos ver em centenas de sítios na Internet. Uma pequena busca pelo google mostra-nos, por exemplo:

5 Facebook behaviors that ruin your image online and how to avoid them
Facebook Behavior Makes You Look Insane and Creepy in the Real World
Facebook Behavior May Negatively Impact College Application

Outros dão dicas de como se comportar.

Enfim. O ideal é usar o bom senso.
Por exemplo, se quiser namorar ou ter conversas privadas não seja estúpido ao ponto de o fazer publicamente no seu mural do facebook.
A partir do momento em que cometa essa perigosa gafe, não vá chatear os seus amigos que lhe façam comentários do tipo "Façam isso noutro lado", ou qualquer outro tipo de comentário que ache menos próprio.

E depois deste texto, pergunto-me se o Nuno Crato faz ideia do erro que comete ao extinguir a disciplina de TIC ao 9º ano em Portugal. Informática não é só saber utilizar as aplicações de um computador.
As pessoas também precisam de aprender a ter civismo informático.
[por agora não vamos comparar o civismo fora do computador com o civismo "dentro do computador" ok?]

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Facebook

Removi ontem a minha barra lateral do facebook no meu computador. Aquela de chat.
Dá para minimizar, mas estava lá. E naquela posição, já por várias vezes me chateou. Devia haver uma opção no próprio facebook para fazer desaparecer a barra às pessoas que não tencionam usar o chat.
Mas o pior de tudo é que eles (facebook) de vez em quando fazem alterações que acham que são boas para as pessoas, mas as pessoas simplesmente não gostam. E foi o caso desta barra de chat. Outra coisa que me irritava na minha barra era a impossibilidade de eu navegar por ela.
Mas o que me irritou mesmo foi sempre que abria o facebook ter dois contactos meus constantemente a piscar! (!!!!)
De pessoas que eu duvido muito que estivessem online, ou, se estivessem que tivessem o chat ligado!
Quem tem um bug destes... certamente terá outros. Já todos temos conhecimentos das estranhas noções de privacidade do facebook.
Ontem eu disse basta.
Já tinha passado umas horas a programar e a enfrentar bugs, e a minha paciência era quase nula para erros informáticos.
Procurei um script para o google Chrome que fizesse a barra simplesmente desaparecer no meu computador. E voilá!
Quem quiser "chat"ear-me que utilize um dos meus chats que costumam estar sempre ligados: msn, google-talk(gmail), Skype (por vezes) ou ICQ (raramente). Ou então... telemóvel.

[Se calhar é por eu viver num mundo à parte...]

domingo, 30 de outubro de 2011

Memorizando Pi


Quantos dígitos de π sabe de cor?
E como memorizou esses dígitos?
Eu comecei por memorizar o "3.141592654" que me era mostrado pela minha primeira calculadora científica, depois quando vi uma expansão maior percebi que aquele último 4 era um arredondamento por excesso... e fui memorizando mais dígitos.
Recentemente em http://www.ticalc.org encontrei um programa assembly para TI-83plus/TI-84plus chamado MEMPIE que ajuda a memorizar π e e.

Qual a necessidade de memorizar π com tantas casa decimais?
Hoje em dia: bater recordes, e exercitar a memória...

Pode ser que com este programa cheguem vá lá... pelo menos às 115 casas decimais?
(Quantas sei sei? Não digo... mas garanto que são muitos. E dando um valor hoje corro o risco de amanhã esse número ser inferior ao que realmente sei.)

Deixei como animação, o tal programa a correr.
Até à próxima

sábado, 29 de outubro de 2011

Calculadoras e o calculo mental (I)




Tive a minha primeira calculadora gráfica no secundário. Ganhei-a num concurso organizado pelo núcleo de estágio de professores de Matematica da escola secundária Francisco Franco no ano lectivo 1993-1994. Era uma CASIO fx-6300G. Era segundo trimestre, portanto, eu tinha 15 anos. Era a minha segunda calculadora. No ano anterior tinha ganho uma CASIO fx-115D (com a qual eu aprendi os números complexos...).
Até ter ganho a minha 1ª calculadora, até as raízes quadradas eu calculava à mão.
E graças a isso, ainda hoje sei fazer contas "de cabeça".
O cálculo "matemático" não é actualmente uma das prioridades primárias do nosso sistema de ensino e optou-se por tornar obrigatório o uso das calculadoras.
Desde 1999, quando concluí a licenciatura em Matemática têm me aparecido dezenas de alunos dos mais variados graus de ensino que têm sérias dificuldades em coisas que eu considero básicas.
Constou-me que (alguém que me corrija se eu estiver enganado) as calculadoras agora são introduzidas bem cedo na vida escolar para "não desmotivar os alunos" que não conseguem fazer contas ou que se enganam...
Até já ouvi argumentos (estúpidos) de pessoas que acham "anti-pedagógico" obrigar as pessoas a saber coisas como tabuadas, fórmulas de trigonometria, de derivação/primitivação... que para isso existem calculadoras e formulários.
Eu pergunto-me então para que serve a memória das pessoas?
Quando não se usa devidamente uma faculdade ela atrofia. Em condições mínimas, mas com trabalho tudo se consegue.
Algures em 2000 escrevi o meu primeiro programa simples de cálculo mental. A ideia original era expandir as minhas capacidades de cálculo mental, pondo a minha mente à procura de truques.

Por exemplo, 19×18=192-19=361-19=362-20=342.
192 já o sabia de cor de tantas vezes fazer 192=(20-1)2=400-40+1
Aliás, podem-se fazer todo o tipo de truques mentalmente, e com o devido treino até se conseguem efectuar os algoritmos da multiplicação e divisão rapidamente.
No entanto, o uso da calculadora invoca a pouco saudável preguiça mental.

O programa, corria na minha CASIO CFX 9950G e perguntava coisas do tipo 92x71, 1024:32, 1999-672, 1+1, e respondia certo ou errado conforme a minha resposta...

Recentemente voltei a reescrever e ampliar esse programa na minha TI-83Plus SE, e criei por exemplo uma versão para fracções. Tenho algumas ideias para mais ampliações, mas comecei a distribuir na minha skydrive as versões actuais.
Um dia, em breve disponibilizo as versões CASIO.
A velocidade de cálculo e de raciocínio faz, por exemplo os alunos nos testes e exames, ganharem tempo para as questões realmente importantes e que requerem que se pense um bocadinho.

Não me venham com a história que tirar a calculadora do ensino até ao 3º ciclo vai complicar a vida às pessoas. Muito pelo contrário, torná-las-à mais eficientes, desde que trabalhem.

Eu sou um grande fã da Matemática computacional, mas o que se passa actualmente é uma aberração.

Por isso, como não quero insultar a inteligência de ninguém, não vou dizer aqui quantas pessoas já "se entalaram" com uma pergunta simples, sem calculadora: quanto é 18:9?

Estupidificar as pessoas só é bom para quem quer pessoas com memória curta e sem capacidade de pensar em alturas de eleições.

Por hoje é tudo.
Deixei-vos como exemplo animado neste post o "nível 0" do programa de calculo mental com fracções. Existem mais 3... bem mais complicados.

Até à próxima.

PS:Estes programas para TI83Plus correm em todas as versões da TI-83, TI-84 e ainda TI-82 Stat (Que o TI-Connect reconhece como sendo uma TI-83!!!)

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

E tudo o vento levou...

Desistir de uma coisa importante não é algo que se faça facilmente nem sem perder imenso tempo a pensar.
Estou cansado e farto. Principalmente de pessoas.
Cheguei mesmo a um ponto em que tive de dizer basta.
Tenho 33 anos. Não ocupo o lugar que devia ocupar graças a uma série de azares, mas ainda mais graças a um conjunto de pessoas que foram aparecendo sequencialmente, e que uma a uma foram destruindo o que poderia ser o meu futuro.
Desde pessoas que tiveram a arrogância de por uma opinião acima de uma avaliação justa, a pessoas que irresponsavelmente não estiveram para preparar transições em alturas de mudança.

Sabem que uma vez, lá pelos meus 20 anos, tive um professor que me atribuiu um 10 (de 1 a 20) sem qualquer avaliação?

[Sabem que impacto isso tem na média de uma pessoa?]

Chegou a altura de procurar novos rumos... numa altura bem difícil, em que toda a gente aperta o cinto, onde os políticos só se preocupam em fazer entrar dinheiro nos cofres do estado e não se preocupam como.

Não esquecer o passado e, se possível divulgá-lo. Pode ser que com isso, se comecem a reduzir as atitudes de muita gente que não merece o cargo que ocupa.

"Não se julga um livro pela capa..."

Desistir "facilmente"? Se eu tivesse tido uma vida fácil não era aqui que eu estava...

Este é o último capítulo de um episódio neste blog.
Com sorte, novos e melhores episódios virão.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Conversa da treta...

-"Cá para mim desististe do mestrado porque aquilo era muito difícil para ti."
-"Nada é difícil desde que se consiga trabalhar."
-"Só para ver qual foi a nota do teu último teste?"
-"18"
-"Devia ser uma cadeira da treta..."
-"Equações diferenciais estocásticas."

...Quem não sabe o que diz devia estar calado.
Quem quer dar conselhos, ao menos que tente saber do que fala...

Toda a gente tem uma opinião.
Mas em vez de eu ter 1000 000 de idiotas a dar-me opiniões... que tal ter de ouvir só o idiota que tem a opinião certa?

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Regressos

No dia 31 de Julho regressei definitivamente à Madeira.
Recordo que a 8 de Setembro de 2006, meti-me num avião em direcção a Lisboa, rumo a um novo futuro...
Quase 5 anos depois, a situação é pior do que estava em 2006.
"Os sonhos são para os caloiros" dizia Philoctetes, no filme de animação da Disney, Hércules.

Começo a pensar que ele tinha razão.

Não vou por-me a filosofar sobre os meus azares e acções dos últimos 5 anos.
Mas condeno quem me apontar o dedo. Fiz os possíveis e o que estava ao meu alcance.
Estou cansado, arruinado e a precisar de vigilância médica. Aliás... ainda tenho de contactar um médico por cá, pô-lo a par da minha situação e entregar-lhe (uma cópia d')a minha documentação médica.

Regresso à minha velha condição.
Cinco anos depois vejo muitos antigos alunos, (ex-)colegas, familiares e conhecidos bem colocados em empresas, com as vidas mais ou menos bem organizadas (com alguns problemas mas nada de mais... problemas todos têm).

Mais uma vez a pergunta é:
E agora?

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Voar

Eu queria ser astronauta
o meu país nao deixou
Depois quis ir jogar á bola
A minha mãe não deixou
Tive vontade de voltar á escola
Mas o avô não deixou
Fechei os olhos e tentei dormir
Aquela dor não deixou

Ó meu anjo da guarda
Faz-me voltar a sonhar
Faz-me ser astronauta e voar

O meu quarto é o meu mundo
O ecrãn é a janela
Não choro em frente á minha mãe
Eu que gosto tanto dela
Mas esta dor não quer desaparecer
Vai-me levar com ela

Ó meu anjo da guarda
faz-me voltar a sonhar
Faz-me ser astronauta e voar

Acordar meter os pés no chão
Levantar e dar o que tens para dar
Voltar a rir,voltar a andar
Voltar Voltar
Voltarei
Voltarei
Voltarei
Voltarei


Tim

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Domingo, 17 de Julho de 2011

Acordei tarde.
Banho demorado... meti os livros na mochila, peguei no portátil, fui para a paragem.
Apanhei o autocarro.
Cheguei à faculdade. Apresentei a minha autorização ao segurança... que me abriu a sala do centro de Cálculo.
Liguei o computador.
Vi o email.
Fui ao facebook.
Abri a minha máquina virtual.
Abri a mochila, tirei o caderno e recomecei a estudar...
Chegou o colega
Pos-se a estudar
-São horas de almoçar...
Saímos... e pelo caminho tive tonturas.. e tive (mais um) episódio de convulsões... tipo ataque epiléptico.
Passei os 10 dias seguintes internado.

Não se passa nada de errado comigo... os médicos deram o seu melhor... fiz todo o tipo de exames
Eu não sou epiléptico.
Causas de convulsões (wikipedia)

... nop, nada disto.
Falta horas de sono -->nop...
Stress anormal/exagerado ---> nada de fora do costume
...

Yup... por vezes a vida é uma bonita trampa.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

1 dia de cada vez...

Em 2008, os meus planos eram gastar apenas 2 anos neste mestrado.
Mas como a vida nunca me corre bem, regressaram problemas de saúde que já deviam ter morrido,apareceram problemas na casa onde vivia, e neste momento... a minha conta bancária está "a zeros".

Por motivos de saúde... pode ser complicado envergar pela via de
"estudante-trabalhador".
Há 3 anos que não tenho um ano normal.
Desta vez, estou mesmo à espera de uma solução que venha do céu.

Posso dar explicações... há alguém interessado?
Se chumbarem é de graça...[ e eu fico na mesma...]

domingo, 5 de junho de 2011

Adeus... até um dia

Chegou a altura de começar a empacotar as coisas... Dentro de um mês e picos regresso definitivamente à Madeira.
Vou apenas fazer mais uma ou duas disciplinas, transferir o meu processo médico para o hospital do Funchal, pedir um certificado de todas as cadeiras que fiz (vou pedir que o mandem para a Madeira).
Devo andar longe do blog por uns bons tempos.
Regresso um dia...
Até lá!
Obrigado a todos os que por aqui passaram ao longo dos anos.


PS1: Morte ao regime (dita)tutorial/torturial no ensino superior.
PS2: Evitem ter mais de 2 cadeiras em regime tutorial... mas o melhor mesmo é: FUJAM disso.
PS3: Nem todos os regimes tutoriais são torturiais... mas garanto que depois de um torturial, o melhor a fazer é fugir dos tutoriais.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Obrigação moral


Abandonando mais um (e desta vez último) mestrado, tenho a obrigação moral de divulgar o que me aconteceu, nem que seja apenas para garantir que o mesmo não acontece a outras pessoas...
Qual a forma mais correcta de o fazer?



E a pergunta realmente séria... E agora? O que é que vou fazer?

sábado, 28 de maio de 2011

Jogo psicológico

"Tu já desististe de um mestrado.
Se desistes deste não és aceite em mais lado nenhum.
Vais fazer o que eu quero como eu quero."
Anónimo - 2008


Sim, eu concordo, a última frase é indecente... Foi-me dita por um professor que eu vou manter em anonimato, num semestre em que eu andava com quatro cadeiras em regime tutorial.
Depois disto, não sou obrigado a ter de aturar o mau humor nem os maus dias desse professor tendo eu estado recentemente hospitalizado e a tentar evitar situações de stress...
Aliás... neste momento, depois do último e-mail que recebi, eu até faço questão de não voltar a tê-lo como professor... mesmo que isso implique desistir disto tudo, que é o que estou a pensar seriamente em fazer.


O stress faz-me mal.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Star Trek Enterprise

Enterprise foi a última série de Star Trek produzida para TV. Passava-se no século XXII e era uma prequela à série Star Trek original, e a todos os seus "spin-offs" (Star Trek - The next generation, Star Trek - Deep Space Nine, Star Trek - Voyager, e ainda, os 10 primeiros filmes Star Trek)
Mas os problemas de fazer uma prequela para um produto com tantas histórias, começaram logo no primeiro episódio.
A humanidade lançou para o espaço a NX-01 Enterprise... Nave que não aparecia no primeiro filme Star Trek, onde o Almirante James T. Kirk mostra "todas as anteriores naves Enterprise".
Num episódio de Star Trek (a série original) diz-se que o primeiro contacto com o Klingons foi um desastre... Bem, de facto, o primeiro Klingon que aparece em Enterprise supostamente foi o primeiro visto pelos humanos.. leva um tiro.
A Enterprise tinha um aspecto mais sofisticado e avançado que a USS Enterprise NCC 1701 da série dos anos 60, que se passava no século XXIII.
Apareceram Ferengis e Borgs com quem supostamente a humanidade só teria o primeiro contacto no século XXIV (em episódios de Star Trek, The next generation), e as broncas sucederam-se, até ao princípio da 4ª época.
Os escritores meteram uma "Temporal Cold War" como história de background e que bem aproveitada poderia, vá, lá por exemplo, colocar explícitamente Enterprise numa realidade paralela.
Mas isso não aconteceu...
Num episódio, algures na primeira época alguém do futuro impediu a explosão da Enterprise. Isto seria suficiente para os escritores conseguirem dar a volta à história e mandar-nos para a tal realidade paralela...(nop.. não o fizeram)
Até ao fim da 2ª época as audiencias foram descendo.
Os produtores decidiram voltar a colocar "Star Trek" no nome da série, passando a chamar-se "Star Trek Enterprise".
Não foi a mudança de nome, nem alterações de enrredo que melhoraram significativamente as audiencias.
No princípio da 4ª época a série melhorou imenso: corrigiram-se aspectos das épocas anteriores e colocram-se mais de acordo com o que se passava nas séries dos dois séculos seguintes. Mas as alterações vieram tarde e a série foi cancelada (infelizmente).
O último episódio... passou-se num holodeck, no século XXIV com personagens de Star Trek The Next generation... esquecendo que os actores envelheceram durante os anos desde o fim da série, o último episódio de Star Trek Enterprise foi colocado dentro de um episódio da última época de Star Trek The Next Generation... com um Will Riker envelhecido relativamente ao Will Riker que tínhamos visto nesse episódio, em Star Trek TNG.
Mau final de série, para uma série que podia ser épica.
Se esquecermos que a série devia ser uma prequela de Star Trek, a série foi muito boa. Mas.. haviam décadas de Star Trek a respeitar...Os produtores cometeram o grave erro de esquecer que a audiencia era a mesma.

Quando JJ Abrams pegou em Star Trek para produzir o filme de 2009, com uma viagem no tempo modificou completamente o universo Trek, e deixou bem claro num diálogo entre os oficiais na "bridge" da Enterprise, que estavam numa realidade alternativa a todo o universo trek conhecido. Assim os escritores ficaram com liberdade para inventar o que lhes apetecer e sem as restrições de décadas de história de Star Trek a respeitar.
Esta teria sido a melhor abordagem para Star Trek Enterprise.

As personagens não eram más... as histórias também não... Só a contínuidade é que foi violada.




Kobayashi Maru :Vade retro regime tutorial

Sugestão de amigo: Nunca se inscrevam em cursos (licenciaturas, pósgraduações, mestrados, doutoramentos, pós-docs, etc's) com várias cadeiras em regime tutorial. Nalgumas delas, perdem direitos, só têm deveres, e ainda têm de "ouvir" opiniões (erradas e injustas) de pessoas que acham que têm o direito de julgar e se meter na vossa vida, e de vos negar direitos que teriam se a cadeira funcionasse em regime normal...(Como por exemplo, o direito a ter problemas de saúde).

Este é um Kobayashi Maru que (quase seguramente) vai me fazer não acabar este mestrado... nem mais nenhum mestrado em lado nenhum.

Game Over!

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Kobayashi Maru (2)

Para quem não conhece o significado de Kobayashi Maru. Em Star Trek II - The wrath of Kahn (1982), é um cenário de vitória impossível. Noto, que não é de vitória difícil, mas sim de vitória impossível. Quem quiser saber de mais detalhes que veja o filme.... O Star Trek de 2009 também aborda o conceito, mas percebe-se melhor no filme 1982.
[No de 2009 vemos Kirk a fazer batota e a vencer o cenário e por isso não ficamos com a ideia de vitória impossível]
Kobayashi Maru é o nome de uma nova secção deste blog, sobre situações de "vitória impossível"

terça-feira, 24 de maio de 2011

Kobayashi Maru?

Muitas vezes temos de fazer escolhas e somos confrontados com as consequencias dessas mesmas escolhas.
As minhas escolhas são consequencias de um grande conjunto de factores, e costuma ter em vista o melhor cenário possível.
Por vezes esse "melhor cenário" possível é mau, levando-me a pensar que ou decidi mal, ou então... "se isto é assim nem quero pensar como seria se eu tivesse decidido de outra forma".
Mas, olhando para trás...vejo a única forma de tomar decisões de outra forma seria sabendo o que sei hoje, e que por pior que seja a minha situação, ela é a melhor possível.

De facto... por vezes a vida é uma bonita trampa.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Bolonha

The fewer beings who have the knowledge the more precious it becomes
Brainiac - Superman the animated series (DCAU), episodio "Stolen memories"

[Não é esta a filosofia do processo de Bolonha?]

há tempos deixaram o episódio no youtube, e partilhei aqui no blog, mas como acabou por ser retirado do youtube por violação de copyright, também removi daqui.


Para mim, esta série animada foi a melhor série do Superman que já vi.
Muita gente pode dizer que "Batman - The animated series" é melhor... eu não contesto. Mas eu sou mais fã do kryptoniano.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

FAITH OF THE HEART

by Diane Warren and Russell Watson

It's been a long road getting from there to here
It's been a long time, but my time is finally near
and I can feel the change in the wind right now
Nothing's in my way
and they're not gonna hold me down no more
No they're not gonna hold me down
Cause I've got faith of the heart I'm going where my heart will take me
I've got faith to believe I can do anything
I've got strength of the soul and no one's gonna bend or break me
I can reach any star, I've got faith, I've got I've got I've got faith... faith of the heart

It's been a long night trying to find my way
Been through the darkness, now I've finally had my day
and I will see my dream come alive at last I will touch the sky
And they're not gonna hold me down no more no they're not gonna change my mind

Cause I've got faith of the heart I'm going where my heart will take me
I've got faith to believe I can do anything
I've got strength of the soul and no one's gonna bend or break me
I can reach any star, I've got faith, I've got I've got I've got faith... faith of the heart

I'm going where the winds so cold, to see the darkest days
But now the winds are free...only winds have changed
I've been to the fire and I've been to the rain
But I'll be fine cause I've got faith… faith of the heart

Cause I've got faith of the heart I'm going where my heart will take me
I've got faith to believe I can do anything
I've got strength of the soul and no one's gonna bend or break me
I can reach any star, I've got , I've got I've got I've got faith....faith of the heart
faith of the heart I'm going where my heart will take me
I've got faith to believe and no one's gonna bend or break
I can reach any star, cause I've got faith, cause I've got faith, faith of the heart


(Música do genérico de "Enterprise / Star Trek - Enterprise" ... provavelmente a mais controversa de todas as séries de Star Trek, mas com uma excelente letra que se adapta a muitos cenários...)

domingo, 15 de maio de 2011

Uma paciência de Job

No final do século passado, um ano antes de acabar a minha licenciatura, estive hospitalizado, e num quarto isolado durante um mês.
As visitas foram muito limitadas, afinal eu estava isolado por um motivo...
Durante um mês, algumas pessoas que eu conhecia há anos mas com quem eu raramente me cruzava visitaram-me e aproveitaram para criticar o meu tipo de vida, que diga-se, de passagem, não conheciam.
O diagnóstico, feito pelos médicos apontou para algo que eu não tinha como controlar até ter sido hospitalizado.
Recentemente, a história repetiu-se. Voltei a estar hospitalizado. Estando eu longe da Madeira há cerca de 5 anos (só passo por lá no Verão e no Natal), o mesmo tipo de críticas voltou a surgir... por telefone, mais uma vez de pessoas que não fazem ideia do meu tipo de vida. E até de pessoas que acabaram de me conhecer e que não fazem mesmo ideia do que dizem...
A quantidade de barbaridades que tenho de ouvir quando tenho problemas de saúde é bem pior que os problemas de saúde em si.
Aliás... Da última vez que saí do hospital, as ordens médicas foram para levar a minha "vida normal que costumava levar".
Quem me conhece bem, e sabe o tipo de vida que eu levo... para começar... não me trata por "Carlos"... que é o nome do meu pai.
Mas ... eu vivo sozinho há cerca de 5 anos. Muito raramente tenho colegas seja em casa, seja a fazer seja lá o que for que ande a fazer.
A "pessoa" que passa mais tempo comigo é o Scratchy, o meu já velhinho portátil.
Eu não vou dar a ninguém, detalhes do meu estado de saúde.
Mas garanto que ouvir mais de uma dúzia de pessoas fazer críticas (distintas e erradas) sobre a minha vida, a minha saúde, e até sobre a minha vida pessoal é daquelas coisas que muitas vezes me faz pensar "ainda bem que vivo sozinho". Se não tiraram um curso de medicina, não estão a tratar do meu caso, e não conhecem resultados nenhuns de exames que eu tenha feito... façam-me um favor: Guardem a vossa opinião.
Porque eu considero isto bullying.
Façam um favor melhor a si mesmos: metam-se nas vossas vidas e não formulem opiniões sobre assuntos que não percebem.
A minha vida não é um jogo de futebol sobre o qual todo e qualquer idiota tem uma opinião...
Se a ideia é fazer críticas negativas, estando eu doente ou em recuperação, acreditem que eu não me importo de estar sozinho.
Mandem um email...
Fico a saber quem devo marcar como spam.
É preciso saber ouvir todo o tipo de críticas sim.
Mas há certas alturas em que eu prefiro ouvi-las de quem SABE do que fala...

PS:- esta frase dá-vos direito a falar de toda a nossa classe política, a quem só interessa fazer política e não, tratar de assuntos de interesse nacional.
-Para justificar o título deste post:
http://en.wikipedia.org/wiki/Book_of_Job

Sobre o festival eurovisão...


Isto é algo a pensar agora nesta campanha eleitoral... Só quem estiver satisfeito com a situação actual do paíse volta a votar "nos mesmos"... seja direita ou esquerda: não quero um governo nem com socialistas nem com sociais democratas. Seja Louçã, Portas ou Jerónimo... tanto me faz: Não quero nenhum dos outros 2.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Contactos, clones e ideias

Passei grande parte dos últimos 5 anos da minha vida sozinho.
É verdade que tencionava só passar 2 anos nesta "vida". Isto não é vida, mas tem de ter um nome, e a melhor aproximação ainda é "vida".
Muitas vezes é confortável esta "solidão". Não há conflitos, não há chatices...
Mas a troca de ideias com pessoas principalmente da área em que eu trabalho é algo de que eu muitas vezes sinto falta.
Ter 4 cadeiras em regime tutorial num semestre é tremendamente cansativo, para qualquer ser humano normal ( É quase um Kobayashi Maru )
Quanto mais para alguém com problemas de saúde.
O regime tutorial só costuma funcionar quando há muito poucos alunos.
Nem dava para discutir assuntos por telefone ou chat a não ser com os professores...
Duas cadeiras em regime tutorial e 3 em regime "normal" parece-me o ideal...
Faz-me alguma impressão só estar rodeado de gente bem mais nova, ou ver amigos e antigos colegas com a minha idade casados, já com 2/3 filhos.
Fico feliz por eles. Não foi esse o caminho que a minha "vida" levou.
Ainda tive azares que me obrigaram a tomar decisões que noutras circunstâncias ninguém tomaria. E ainda há quem me pergunte se eu estou "bom da cabeça".
Se calhar não. Mas recordo que de facto não conheço absolutamente ninguém que trabalhe em Matemática que seja completamente "normal".
Provavelmente este é o preço que tenho de pagar se quero ser um matemático sério.
E se o preço é esse... pagá-lo-ei.
Há um ano e alguns meses atrás, lembrei-me de uma brincadeira que fiz há uns anos.. uma foto montagem, em que eu e outros 2 eus estávamos a a trabalhar.
Repeti a brincadeira... juntei texto, e...
Durante alguns meses, uma sequência de 6 ou 7 fotos acompanhadas de textos onde eu e os meus duplicados, a que chamei indevidamente "clones", - mas que provavelmente tornou a piada mais acessível a muita gente- discutíamos todo o tipo de disparates, foi parar ao meu facebook.

O facebook, o msn, o gtalk, o skype, o telemovel e todos esses meios electrónicos não substituem o contacto real com as pessoas.
Os meus "clones" não são reais... (mas divertem-me).
Por vezes, quando estou cansado e incapaz de trabalhar, escolho aleatoriamente pessoas no meu email/sms e mando-lhes uma mensagem.
" Olá.. como vai a vida..."
Se obtiver resposta... óptimo. Vamos lá trocar emails. :)
Se não obtiver... simples, vamos lá escolher outra pessoa.
Por vezes, é o suficiente para ganhar energia e motivação para trabalhar... e às vezes de uma conversa que não tem nada de especial, surge uma ideia.
E as ideias são a melhor matéria prima com que se faz Matemática.
Depois de ter voltado a estar internado... cortei a internet no telemóvel.
Passo menos tempo ligado à net (incrível não é?)
E passo mais tempo a ler...
As pessoas andam ocupadas... eu também.
E a "vida" continua.

PS: neste conjunto totalmente desconexo de ideias deve haver uma que preste

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Bullying


A menina que chamas de gorda, passa dias sem comer para perder peso.
O menino que chamas de burro, quem sabe tenha problemas de aprendizagem.
A menina que acabaste de chamar de feia passa horas a arranjar-se para que pessoas como tu a aceitem.
O menino que provocas e gozas na escola, pode receber maus tratos em casa e só estarás a contribuir para destruir a sua auto-estima.
Se és contra o BULLYING, compartillha!

Cruzei-me com isto hoje no facebook...
O Facebook é provavelmente uma das maiores perdas de tempo da actualidade... No entanto, serve para passar mensagens.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

A bad day

Hoje é um daqueles dias. Olho para as minhas folhas cheias de cálculos e raciocínios mas o meu cérebro fez greve
Ok... há anos que o meu cérebro faz mais greve do que trabalho: Só um neurónio, de nome neurótico trabalha.
Os outros, por imenso tempo pensei que tinham morrido ou desaparecido.
Mas afinal, estão ali a consumir energia, a ocupar espaço e a não fazer nenhum...
Se eu os despedir, onde contrato outros?

Para não ajudar estou sob os efeitos de uma chata insónia da qual desconheço as causas.
Olho para as minhas linhas de código e só me apetece desligar o computador.
Abro o email... ok, dá para passar 5 minutos entretido.
Olho para o meu brainiac (Hum... prometo um dia explicar o que é o meu brainiac) e continua a apetecer-me desligar o computador.
Ligo os auscultadores, e memorizo umas demonstrações de construcções de integrais estocásticos. Já estão tão percebidos que só a minha memória se opõe a guardar. Há uma forma de lhe dar a volta...
Voilá! Estão lá dentro. Esperemos que a minha memória não tenha a estúpida vontade de as apagar.
Toca o telemóvel. A minha mãe quer saber como estou.
"-Estou bem!"
Pode servir-lhe conforto mas a mim não serve. Há um mês "estava bem" e caí para o lado.
Hoje estou mal dormido...
O Real Madrid perdeu com o Barcelona.
Não há mensagens interessantes no facebook...
É um bom dia para arrumar coisas na memória.
Amanhã deve ser um bom dia para trabalhar.



Até amanhã cérebro. Hoje não te aborreço mais.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Colapso...

No dia 17 de Março, ao caminhar pela faculdade, de acordo com médicos e testemunhas tive uma convulsão, perdi a consciência, estive caído no chão com "movimentos involuntários". Fui levado para as urgências do Hospital Garcia Orta e estive internado durante 3 semanas e 1 dia.
É uma daquelas coisas que consegue tirar-nos a motivação para fazer seja o que for por algum tempo.
Um colapso...
Não vou falar do (mau) actual estado do país... Já fiz algumas postagens no facebook sobre o assunto, mas chega. Não me apetece discutir política. O estado a que os nossos políticos levaram o nosso país devia merecer um castigo bem severo. Algo que o voto não é capaz de fazer, e que não está previsto na nossa constituição.
Por isso chega. Não quero saber do estado do país. Faço piadas com ele... e nada mais. Não fui eleito para pensar nisto. Não ganho nada com isso.

Estou farto de ter idiotas, problemas de saúde, burrocracias, e eteceteras a complicar-me a vida.
O que me aconteceu não era suposto acontecer...

Estou cansado, e um pouco desmoralizado. Tenho um teste depois de amanhã...
Uma tese para fazer... e cadeiras para "despachar".
Se eu regressasse no tempo até 1995 e me contasse a sorte dos meus últimos 10 anos, muitas decisões seriam diferentes. [Obviamente, sem esse conhecimento, as coisas seriam iguais]
Agora... estou preso a uma telenovela, que se eu estivesse a ver, já tinha mudado de canal.
Mas não tenho essa hipótese.
A vida não é fácil para ninguém, portanto, vamos lá ver se consigo acabar a telenovela com um final feliz.
O que eu mais quero neste momento é... ok, não conto. Vamos lá continuar a manter parte da minha vida como deve ser: privada, mesmo que a resposta seja a coisa mais natural e vulgar.

Até uma próxima oportunidade...


terça-feira, 15 de março de 2011

Censos 2011 [ com um comentário...]



Pedem aos falsos recibos verdes para se identificar como trabalhadores por conta de outrem. Participar numa FRAUDE para beneficar as estatisticas a favor do Governo? Não obrigado!
Manifestem-se e reclamem enviando uma mensagem de correio electrónico para o seguinte endereço: censos@ine.pt
Passem a mensagem pelos vossos contactos. Muitos não sabem e vão fazer o que lhes é pedido pelo recenseador. Estas estatisticas são importantes para as medidas a tomar durante os próximos 10 anos. Então, que sejam o mais verdadeiras possivel.


Recebido via facebook

Coloco a mensagem aqui porque a situação é de facto muito grave.
Como fui informado, " é agora taxado a 29% e sem direito a baixa, desemprego ou maternidade"

Ora, se não dá direito a subsídio de desemprego, isto é quase equivalente a ele. A única diferença é que a pessoa faz qualquer coisa "para se entreter".
Mas a melhor descrição é "Emprego" PRECÁRIO.

domingo, 13 de março de 2011

Geração à Rasca; Demissão dos políticos; ...


Assim, pelo título, que normalmente deve ser a última coisa a escrever, é óbvio do que vou falar. Mas vou começar pelo fim.
Infelizmente não conseguimos viver sem políticos, mas é bem claro e óbvio que a actual classe política está podre.
Vou a recordar aquele senhor deputado, que só posso chamar de idiota que na semana em que José Sócrates anuncia medidas de austeridade, vem para a comunicação social pedir que abram a cantina da Assembleia da República porque 60€ diários para despesas de representação "não dão para tudo".
O actual estado de país deve ser visto como um atestado de incompetência à actual classe política, mas também ser motivo de reflexão para quem os elegeu. Quem votou na incompetência tem parte da culpa no problema.
"Cada povo tem os governantes que merece" dizem alguns.

O grande problema da democracia é que nem sempre a maioria sabe o que é melhor para o país, e o problema de termos um governo escolhido por poucos é o de ser "arrogante" e também não ser garantido que esses poucos sabem o que é melhor para o país.

Estamos é todos de acordo numa coisa: Este país, como está é péssimo! Vivemos num jogo para enganar e dar estatísticas enganosas. Onde somos enganados (consciente ou inconscientemente) pelos governantes, que mudam de opinião como quem muda de cuecas, e que apesar de alguns estarem de facto a dar o seu melhor, outros apenas estão a trabalhar para as aparências.

Deixem quem de facto é português trabalhar. Que se demita quem usa o cargo apenas para as aparências.
Portugal precisa de portugueses a sério.

No protesto de Sábado passado tentaram juntar o protesto da Geração à Rasca (com o qual me identifico) com um movimento anarquista de "demissão de todos os políticos".
Ora, não misturem as coisas . A demissão da classe política deve ser bem ponderada.
Falar é fácil, mas precisamos de ordem neste país! Que venha uma nova mentalidade para o povo e para os políticos!

Geração à rasca.
Neste país tem-se assistido à sabotagem do futuro de muitos jovens, e já de alguns adultos, por vezes até inconscientemente. Estamos num país onde a corrupção, o bulying no local de trabalho (como vai a vossa memória caros ex-colegas?), os jogos de poder e de interesses, a manipulação e a irresponsabilidade têm lugar muito frequentemente.
Processos como o processo casa pia, descredibilizaram a justiça e deixam muitas dúvidas sobre a culpabilidade de alguns condenados e alguns inocentados.
Más decisões fizeram com que pessoas com consideráveis habilitações literárias estejam sujeitas a salários de 500€ ou trabalhar fora da sua área. Recibos verdes, estágios não renumerados, "flexisegurança", e a lista continua...
As pessoas merecem melhor.
As pessoas não são um brinquedo!
Esta geração está "à rasca", e não é por meia dúzia de pseudo-intelectuais que não sentem na pele o que se passa darem uma opinião contrária e muito bem dita que têm razão.
Não são eles que estão a ser "lixados com f" sem terem culpa das "más decisões de cima".

Ou por exemplo de eu ir a uma entrevista para um emprego e receber dias depois em casa uma carta a dizer que "não tenho perfil para o lugar"
Ou uma pessoa estar tão desesperada para pagar contas que apesar de todas as suas habilitações tenta trabalhar a vender roupa... e não a aceitam (este exemplo está bem descrito no jornal "mundo universitário" numa edição recente).
Chegou a altura de dizer BASTA!
ESTA GERAÇÃO ESTÁ MESMO À RASCA!

Esta mensagem estava agendada para amanhã, mas eu decidi (a tempo) não "sujar" o dia do pi com as mediocridades de uma coisa estranha chamada humanidade!

segunda-feira, 7 de março de 2011

Contagem decrescente...

A bem ou a mal, tenho de acabar o mestrado neste ano. Se não despachar a tese, de acordo com o regulamento dos mestrado, fico com uma "pós-graduação"...
Confesso que depois dos últimos 5 anos, uma pós-graduação é algo que sabe a pouco.
Mas a análise que faço também me diz que tendo todos os factores em conta, tem tudo corrido o melhor possível...

[Por favor, não queiram saber como poderia ter corrido pior... porque eu sei mesmo como, e não digam que podia correr melhor, porque garanto que se pudesse, tinha corrido!]
A situação já é financeiramente incomportável...
E a minha saúde, ...vamos supor que está a 100% e ignorar sintomas. O trabalho tem de ser feito.

Esperemos que o Scratchy e o meu cérebro colaborem..

domingo, 6 de março de 2011

CarlosPaulices no século XXI... O Banner

Desde que renomeei este blog para "CarlosPaulices no século XXI" o banner do blog passou a ter uma USS Enterprise, e dois fractais: O Fractal de Newton associado à equação Z^3-1=0, e o conjunto de Mandelbrot.
Quem quiser ver mais fractais "meus" pode visitar a minha galeria de fractais no deviantArt.
A razão dos fractais é simples: quem me conhece desde há um mínimo de 100 anos sabe que eu sempre gostei de Matemática, e os fractais são simplesmente uma das coisas que nos deu a Matemática no século XX, mas que só no fim do século XX e agora, princípios do século XXI é que está acessível a toda a gente, graças ao poder computacional dos processadores actuais.
De acordo com a "mitologia" Star Trek, é no século XXI (mais específicamente a 5 de Abril de, 2063) que a humanidade ultrapassará a barreira da velocidade da luz, com o conceito de "Velocidade Warp".
Portanto, de acordo com "Star Trek" é neste século que se dará o primeiro grande passo na direcção de naves como a USS Enterprise (que, para quem conhece a série, é uma nave do século XXIII).

Só a 31 de Dezembro de 2099 se poderá falar da fiabilidade destas previsões.
Se eu acredito piamente no dia 5 de Abril de 2063?
Eu acreditei piamente que em 2008 eu já seria mestre, e antes disso, que em 2006 eu já teria doutoramento.
Eu também acreditei que a UMa e a fcul fossem lugares sérios...
Neste momento eu simplesmente "deixo andar"...

quarta-feira, 2 de março de 2011

Do jeitinho que és (Ispantosa)












Este vídeo está alojado no site da rádio comercial, a quem tenho a agradecer a boa disposição que me dá todas as manhãs, e coisas como esta música

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

O lugar dos maus

Recentemente numa boa sebenta de Análise Funcional, encontrei uma coisa classificada como "Teorema do Homomorfismo Algébrico", que não é mais do que o teorema do homomorfismo das cadeiras de Álgebra e de algumas cadeiras de Álgebra linear.
Em Álgebra linear um morfismo de espaços vectoriais (ou um morfismo de módulos sobre aneis) é simplesmente uma aplicação linear.
É um teorema bem poderoso em todas as suas vertentes, e por isso estudado nessas cadeiras.

Nos meus (maus) anos pela fcul, para demonstrar a forma mais geral que conheço da fórmula de Green, recorri a esse teorema.

[Sim, a demonstração disso era para entregar... há professores sem a mínima noção da realidade e que são capazes de fazer uma dessas a alguém, que, como eu não conhecia o Operador traço, que também merece algum destaque nessa fórmula]

Como era bem típico nessa cadeira, o trabalho era bem duro porque para poder resolver esse "simples" exercício eu tinha de recorrer a livros e aprender conceitos que eu nunca tinha estudado... (É isto que entendem por bolonhês?)
Mas o caso do teorema do homomorfismo... era-me bem familiar!

Quando recebi o trabalho, estava cheio de riscos e comentários
(Um dos quais a acusação ridícula de estar a confundir a notação <.,.> usual em análise funcional com um mero produto escalar... será que ela sabia que o Haim Brézis chama-me mesmo "produto escalar na dualidade"?)

Mas aquilo que me chocou mesmo mais, foi a afirmação

"Deve-se utilizar teoremas de análise funcional e não de álgebra".


(Sim, eu acredito que qualquer matemático ao ler isto pense que ou que eu sou mesmo burro e que ainda não percebi o recado ou então que algo de mal se passe...garanto que é a 2ª hipótese!)

Essa foi das frases que mais me custou a digerir na minha vida, ainda mais vinda de alguém a leccionar num mestrado!
(Vamos lá ver, eu poderia de facto estar a confundir Dual Topológico com Dual Algébrico, ou qualquer disparate bem crasso porque aquele tipo de trabalhos levava a disparates desses, MAS NÃO ERA O CASO)

Qualquer dia dizem-me que não posso utilizar matrizes em Análise Matemática, porque se usam em Álgebra Linear não?

Em Matemática, usa-se TUDO o que se consegue usar e é útil! Quem acha que não, está a travar a evolução do conhecimento, e nem merece ser chamado de cientista, quanto mais de matemático!

O lugar dos maus é fora do ensino, até se tornarem bons!

Este caso particular não foi caso único, mas compreendam que há coisas que não gosto de recordar. Só peço que sejam tomadas medidas para que coisas destas não voltem a acontecer.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

A Matemática é bela... Não dêm cabo dela.

Muitas vezes sinto vontade de apontar canhões a certas pessoas e instituições pelo insucesso e má fama da Matemática em Portugal.
E como não nasci ontem e já vários idiotas (desculpem-me lá, vou chamar os bois pelos nomes) me complicaram a vida, e eu tenho PROVAS disso, vou escrever um pequeno texto sobre as aulas de Matemática.
Hoje decidi por um dedo numa ferida que já está infectada, cheia de porcarias e a cheirar mal.
Como todo o não analfabeto, já fui aluno (e voltei a sê-lo) e já fui professor (será que um dia voltarei a sê-lo?).
Salvo alguns casos patológicos os grandes problemas da má fama da Matemática devem-se a:
- forma de exposição
- a más aulas/exposições
- falta de bases dos alunos (...)
Vou deixar os casos patológicos para uma próxima ocasião.

Forma de exposição:
A exposição de uma ideia, conceito, técnica, resultado ou algoritmo deve ser simples, nunca esquecendo que em geral estamos a expor para alguém com um background diferente do nosso.
E para minimizar gafes ou gralhas todas as aulas DEVEM ser preparadas com antecedência.
O improviso só é bom em pessoas com uma cultura Matemática bem grande, mas mesmo assim, essas pessoas normalmente são inteligentes o suficiente para preparar as exposições, até dar aulas geniais, e não têm problemas em recorrer a uma cábula para não se perderem.

Mau exemplo1: Numa certa faculdade de uma certa universidade, um dia um professor quis dar um exemplo de uma equação diferencial que modelava os cabos de uma ponte suspensa.
Começou a tentar deduzir. Perdeu-se. Transformou o exemplo no exemplo de um estendal. Mesmo assim não conseguiu, e no fim simplesmente escreveu uma equação diferencial genérica.

Até a Wikipédia tem várias possíveis abordagens ao problema relativamente bem explicadas!
(http://en.wikipedia.org/wiki/Catenary)

Mau exemplo2: Numa certa universidade, numa certa cadeira de Matemática, o professor dava aulas passando e lendo os acetatos, e não fazendo nenhum nas aulas práticas.
...
!!! Se a ideia é ler, dêem-me o material que garanto que leio em casa.

Más aulas
Aqui... as más aulas têm de repartir as culpas entre professores e alunos.
Um aula pode ser má por não ter sido preparada, por não haver condições na sala (fisicamente), ou simplesmente porque os alunos não deixam haver qualidade.

Uma aula onde os alunos estão mais preocupados em conversar sobre o reality show do dia anterior ou sobre a foto do facebook que um zé qualquer colocou, não lhes rende nada, por melhor que seja o professor. No entanto, como a autoridade está sobre o professor, este consegue fazer da aula o que lhe apetecer usando as ferramentas que tiver à mão.

Uma aula em que o professor simplesmente copia de um suporte papel para o quadro, ou apenas lê acetatos também não é uma aula minimamente interessante.
No segundo caso, proponho que o professor tenha sentido de humor e dê piadas originais aos acetatos...

Uma boa aula de Matemática deve ter sempre uma dose de humor, de rigor e conseguir tornar interessante o mais estranho conceito.
O aluno pode ter motivação, mas o professor tem de fazer os possíveis por mantê-la, e se possível aumentá-la!
Os alunos devem trabalhar em casa sim, mas UMA AULA ONDE NÃO SE APRENDE NADA é um desperdício de tempo, e nesse caso mais vale ficar em casa (e falo por experiência própria: já tive cadeiras onde a melhor nota foi a minha e não apareci a 50% das aulas)!

Falta de bases
As faltas de bases dos alunos devem-se a muitos factores:
Falta de estudo ou de interesse dos próprios,
Professores que nos anos anteriores não cumpriram programas (isto devia ser considerado crime)
Falta de trabalho por parte dos alunos (há muitos motivos para isto, não vou desenvolvê-los hoje)
Desadequação da formação académica anterior (Exemplo: alunos de Matemática B a chegar ao ensino superior a cursos de Ciências e Engenharias)
...
Contornos aberrantes.
Como forma de combater o insucesso, alguns professores tornaram OBRIGATÓRIA a presença nas aulas, não admitindo a exame quem faltou a 25% ou 33% das aulas.
Ora...Isto é tremendamente estúpido. A menos que essas aulas sejam laboratoriais, tal imposição é mesmo aberrante. Se as aulas são más, é claro que os alunos vão faltar.
A melhor forma em casos de insucesso é começar por ouvir os alunos e tentar perceber onde está a dificuldade, e nas aulas fazer o possível por combater futuras ocorrências dessas dificuldades.
Tornar as aulas obrigatórias é sinal de mediocridade!
Notável excepção: se são muito poucos alunos, então sim, as aulas devem ser obrigatórias por forma a evitar que o professor acabe a falar para o boneco. Mas nesse caso, o professor deve perceber o recado e conversar com os alunos.
REPITO: conversar com os alunos.

Especificidades da Matemática.
A (boa) Matemática obriga a raciocinar, e regra geral as pessoas são preguiçosas a raciocinar.
Um bom professor deve incentivar ao raciocínio e qualquer aluno (desde o pior ao senhor perfeição) devem esforçar-se por utilizar a cabeça ... para o assunto [e não para formas de cometer fraudes na avaliação]
O raciocínio é o que nos distingue dos outros animais, e que nos tornou na espécie dominante neste planeta. Contrariamente ao voto, que por vezes não muda nada, o raciocínio lógico-matemático é responsável pelas mais belas criações do espírito humano.

Há professores que simplesmente papagueiam resultados e demonstrações, mas são incapazes de fazer os alunos utilizar esses resultados, enferrujando as mentes desses alunos.
Isto também DEVE ser crime.
Errar é humano. Um professor que se engane não deve insistir no erro, e corrigir-se sem medo disso.
[Sim, já tive cromos a disparatar à minha frente e insistiram no erro, mesmo com um contra exemplo à frente... EM MATEMÁTICA]
O professor, sim deve ser o possuidor de maior conhecimento na sala, mas nunca assumir "Estes gajos são uma cambada de burros" e com base nesse preconceituoso pensamento ser severo ao avaliar.
Aqui eu tenho alguns (vários?) maus exemplos, mas são demasiado específicos que só conto pessoalmente a quem mos perguntar.

É justo que se diga: Nenhum dos maus exemplos que apresentei aqui pertence à FCTUNL da universidade nova de Lisboa.
Mas pertencem a outros sítios por onde andei.

Este texto apenas toca superficialmente em alguns problemas e é baseado na minha experiência pessoal, e poderá ter novos capítulos no futuro.

A Matemática é algo que quando é estudada por gosto é acessível. Façam as pessoas gostar dela! O problema da Matemática não é a Matemática: São as pessoas!

O cargo de professor é um cargo de responsabilidade e de ensino e não um cargo para alimentar o ego!

O posto de aluno deve ser encarado como uma profissão, com responsabilidade e NÃO como passatempo!

Continuações de boa Matemática para todos.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Novos Impostos: Como salvar Portugal! - Parte 2

Este deve ser o imposto mais importante de sempre:
Imposto sobre quem contribuir para a subida ou criação de novos impostos (ISCP)
Este imposto é vitalício e cresce geometricamente por mês, com uma razão de valor pi ou e, conforme a idade do contribuinte.
Pi (aproximadamente 3,1415926535897932384626433832795...) se for maior de 40 anos. e (aproximadamente 2,7182818284590452353602874713527...) se for menor.
Para quem não faz ideia do que significa "geometricamente":
Suponhamos que no primeiro mês o imposto foi de 500€ (isto é ficção pois o imposto inicial deve ser no mínimo o triplo), e que a razão é Pi. No mês seguinte paga Pi vezes 500€, ou seja, aproximadamente 1570,7963267948966192313216916398...€
Os arredondamentos devem ser tidos em excesso às centenas, portanto, em vez de 1570,7963267948966192313216916398.... pagaria 1600€, mas para termos de fórmula, no mês seguinte pagaria 1570,7963267948966192313216916398....*Pi, sujeito à mesma forma de arredondamento.
Nos cálculos devem ser usados no mínimo 1 milhão de dígitos de pi!

PS: ISCP=Imposto Sobre Cobrança de Pilim

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Novos Impostos: Como salvar Portugal!

Os problemas de Portugal podem ser resolvidos com impostos!
E eu sugiro alguns:
Imposto sobre o ar (IAr)
Quer respirar? Pague IAr.
Teve um bebé? Paga mais um IAr.
Tem um cão? Paga mais um IAr.
Teve ninhada? 9 cães?.. mais 9 IArs...

O desemprego também se resolve com impostos:
Criam o imposto do não trabalhador (INT).
Foi despedido? Passa a pagar INT.
É menor de 18 anos? Paga INT.
É reformado? Paga INT.
É incapacitado? Paga INT.

Não tem como pagar? Também se resolve!
Temos um imposto para si, o imposto para quem não tem como pagar (IPQNTCP)

Está em coma? Não quero saber, não é diferente dos outros! Também paga!

Não é português nem reside em Portugal? Tem de pagar mensalmente o ISNCPNRP :Imposto sobre a não cidadania Portuguesa e a não residência em Portugal!

Está farto de ouvir os políticos falar? Temos um imposto especial para si, o IPQEFOPF: Imposto para quem está farto de ouvir políticos falar!

FMI? ahahahah! Com estas medidas quem é que precisa de FMI?
Mas se entrar também PAGA ! Paga o IFMI: Imposto sobre o FMI!

Já agora estão em estudo mais dois impostos: o IPQUAO e o IPQNUAO
Imposto sobre quem usa acordo ortográfico e imposto para quem não usa...

PS: Quem trabalha tem de ter os impostos mais altos porque supostamente recebe!
PS2: Fartam-se de dizer que só se apresentam críticas e nunca propostas! Ora, aqui está uma proposta!

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Num futuro que eu espero que seja de um universo paralelo...

Isto não vem a propósito de nada...
Estou a ver que num futuro próximo, a minha vida terá de passar obrigatoriamente por ser explicador...
O explicador ideal deve ser alguém com alguma proximidade do explicando.
Tipo, um irmão, namorado/namorada, um pai, uma mãe, um tio, um primo...
Mas, na sociedade de hoje... isso é impossível.
Há pais que não têm ninguém a quem recorrer e preferem pagar a um explicador "estranho".

Irónico eu estar a pensar nisto agora...
Eu que sempre considerei explicação um tipo de "prostituição" tenho de a encarar com outros olhos.

Tornar-me num explicador o mais próximo do ideal quanto possível...
proximidade qb...

Quando a vida não corre como queremos somos obrigados a fazer o que não queremos...
E façamos o que fizermos para sobreviver temos de ser bons no que fazemos.

A vida é uma bela trampa...
Alternativas procuram-se...

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Jantar de Homenagem - Professor Dinis Pestana e Professora Ivette Gomes

Amigos "Fculianos" e não só,

Como muitos sabem, outros talvez não...

O Professor Dinis e a Professora Ivette estão aposentados... espero que continuem ligados à Faculdade pois são dois Professores que farão muita falta...

Estamos a falar de dois grandes Professores da FCUL - DEIO que ao longo dos anos muito fizeram pela àrea da Estatística e Probabilidades, tanto a nível de investigação mas também em termos de ensino.

Marcaram gerações de alunos!!!

Foram Professores sempre presentes, dotados de uma enorme componente humana para com os seus alunos!

Por tudo isto, estamos a organizar um jantar de antigos e actuais alunos do DEIO e eventualmente de outras instituições que se queiram juntar a nós! Assim como, estamos a contar com a presença de outros Professores da casa (e não só) que queiram estar presentes.

A ideia é juntarmo-nos e em conjunto proporcionarmos um excelente momento de convíivio entre todos.

O jantar é na FCUL - C6. Sexta-feira, dia 18/ Fevereiro do corrente ano.

O preço é 15€ por pessoa e incluí:
- Couvert
- Prato
- Bebidas
- Sobremesa
- Café

E ainda têm direito a uma actuação da nossa querida Tuna - a "Vicentuna".

Confirmem até 15 de Fevereiro.


Existe um evento criado no Facebook onde podem confirmar a vossa presença:


Como muitos de vós ainda não aderiram ao referido site, dou-vos o meu email como forma alternativa de poderem confirmar:


Colegas e amigos,

Contamos com a vossa presença!!!


P'la organização do evento,


Catarina


P.S. - Repassem o email aos vossos contactos para uma mais fácil divulgação deste evento, obrigada!

[Recebido por email e postado porque a homenagem é mais do que merecida...]

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Topologia na vida....

Porque é que fizeste tanta burrada na vida?

Perguntava-me há dias uma pessoa pela qual tenho a maior admiração.
Dei uma resposta parcial... A outra parte é mais dura e requer algumas provas.
Voltando a passar por certos pontos "críticos" manteria as minhas decisões.
O grande problema é que em sociedade não vivemos sozinhos, e as acções dos outros acabam sempre por influenciar as nossas, podendo mesmo dar cabo da nossa vida.
Portanto, a pergunta certa devia ser feita também às pessoas na minha vizinhança nesses momentos críticos.
Tal como numa função contínua, o que se passa na vizinhança de um ponto determina o que se passa nesse ponto, o que rodeia uma pessoa determina as suas acções.
Bem... eu neste momento vivo sozinho, e tenho a saúde a estabilizar. As minhas vizinhanças são provavelmente os melhores professores e os melhores amigos que já tive desde há uma década.
Deve ser o cenário mais optimista que tenho desde há muito tempo, mesmo com algumas falhas abissais, que de alguma forma terei de compensar.
Burradas?
Será que é burro o rato que foge de um conjunto de gatos famintos?

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Um deus caído na Terra

Uma das coisas mais terríveis que pode acontecer a um deus é ...
cair à Terra depois de ter habitado o Céu.
Na Terra pode sempre contactar outros deuses... Mas nada mudará o facto de que já não está no Céu. Aliás...

Para quem já esteve no Céu, a Terra parece o inferno.

Um regresso ao Céu depende de outros deuses... e da destruição de algumas forças malignas que o precipitaram à Terra.
Na Terra... perde a divindade... torna-se humano, torna-se mortal.

Torna-se indistinguível dos outros... ou pior do que os outros.

Maldita a inveja e a traição, o deprezo e a manipulação que lhe tiraram a divindade.
O regresso ao Céu pode ser impossível.

A nova realidade será sempre inferior comparada ao paraíso.
É aquela frustração que mais ninguém compreenderá,
a queda que ninguém entenderá e
a traição que nunca perdoará.

E um paraíso que sem outros deuses, jamais voltará...

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

O irrevelável...

Desde que apareceram a internet, os blogs, os chats, as redes sociais, a filtragem de conteúdos tornou-se algo essencial na vida.
Há coisas que devem permanecer secretas, privadas, seguras.
Outras que se podem partilhar.
Nem tudo é partilhável.
A palavra "segredo" é bonita... o seu significado não deve ser esquecido.
Quanto mais as pessoas sabem sobre nós, mais nos arriscamos a ouvir palpites que podem nem estar aproximados da realidade.
É a teoria do Caos aplicada à vida social...
Muitas vezes acabamos com opiniões bem distantes da realidade.
E somos colocados em cenários bem longe daqueles em que vivemos.
Numa estranha forma de efeito borboleta.
Muitas vezes nem temos a oportunidade de explicar que o cenário está errado.
E quando a temos... pode já ser tarde demais.

Às vezes tenho saudades do antigamente.
Quando se podia viver num mundo à parte.

A vida é curta...

A vida é curta demais para se acordar com arrependimentos. Ama as pessoas que te tratam bem. Esquece aquelas que não. A vida coloca cada um no seu lugar. Tudo vai e vem por uma razão. Se tens uma segunda oportunidade, agarra-a. Ninguém disse que a vida seria fácil. Só prometeu que iria valer a pena. Coloca na tua página, se pensas o mesmo. Vive, deixa viver e sê feliz!



(Yup... é um novo tipo de mensagem em cadeira. É a primeira e última que coloco aqui.)

Esquadra PSP na Camacha: A César o que é de César...

Eu gosto desta expressão bíblica quando se andam a apurar responsabilidades.
Em política então é muito fácil andar a atirar culpas de um lado para o outro como forma de não resolver coisa nenhuma.
No entanto, o quadro actual da Madeira obrigou a que certos esclarecimentos fossem feitos, tal como este vindo da presidência da Câmara de Santa Cruz
http://maisjag.blogspot.com/2011/01/esquadra-psp-da-camacha.html


A César o que é de César...
Indeed!

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

CarlosPaulices no Facebook

As horas que já perdi no facebook...
Não, não é um vício, e espero conseguir mostrar isso nas próximas linhas.
Vivo sozinho.
Não tenho colegas "de trabalho".
Tenho instrucções médicas de abstinência total de alcool, cigarros e outras coisas semelhantes.
Vivo num estado semelhante ao de constante ressaca (muito bom para quem quer trabalhar em Matemática)
SEMELHANTE:eu não bebo.
O facebook permite-me comunicar com ou ter notícias de várias pessoas sem sequer ter de as ter online ao mesmo tempo.
Há 16 anos que não via a Catarina.
Há 10 que não sabia do Aurélio.
Há 6 que não comunicava com a Magda...
E a lista continua.
Não é vício. É uma tentativa de manter a sanidade mental num longo mau momento prolongado. Mas que tenho garantias de que vai passar.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Promessas...

Este post é uma continuação directa do meu post de 14 de Janeiro de 2011
Uma "promessa".... feita EM 2007
http://www.dnoticias.pt/impressa/diario/44315/politica/65425-camacha-com-nova-esquadra-dentro-de-um-ano#comment-66012

Passados 3 anos, é isto que dizem:


http://www.dnoticias.pt/impressa/diario/244975/casos-do-dia/245084-crimes-sem-queixa-na-camacha

Mas pensam o quê? Que o povo é parvo?

A vitória do Sr. José Manuel Coelho no concelho de Santa Cruz foi uma sobrecarga de votos de protesto... e pelo menos, por parte dos camacheiros, eu não duvido que a (in)segurança na Camacha tenha sido algo tido em conta.

Será que ainda não perceberam que um cargo político é para servir o povo e não para se servir a si?

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Voto em branco...

Em primeiro lugar,vou partilhar um link da comissão nacional de eleições:
http://www.cne.pt/dl/Notaoficiosa_Votosbrancos_PR2011.pdf

E depois, colo um email que anda a circular, mas que como podem ver pelo link que acabei de colar tem alguma informação que não corresponde à verdade. No fim, coloco um comentário meu ao mail

Causes

Bulletin from the cause: Portugal governado por incompetentes
Go to Cause
Posted By: Leonel Fonseca
To: Members in Portugal governado por incompetentes
Sabiam que o voto em BRANCO é o mais eficiente ?

SE VOTAREM EM BRANCO, ou seja, se não escreverem absolutamente nada no boletim de voto, é muito mais eficiente do que riscá-lo.

Nenhum politico fala nisto... porquê?

Porque se a maioria da votação for de votos em branco eles são obrigados a anular as eleições e fazer novas, mas com outras pessoas diferentes nas listas.

Imaginem só a bronca!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

A legislação eleitoral tem esta opção para correr com quem não nos agrada, mas ninguém fala disso.

Não risquem os votos, porque serão anulados e não contam para nada.

VOTEM EM BRANCO.

A maioria de votos em BRANCO anula as eleições..... e demonstra que não queremos ESTES políticos!!!

Espalhem para se obter a maioria.



Comentário: Portugal está numa péssima situação. A culpa é da classe política e também da mentalidade do povo português. Aliás, ambos os factores estão relacionados. Não vou desenvolver o tema, deixo isso para cada um dos leitores.

Mas o recado é para todos: se querem conseguir alguma coisa, não enganem as pessoas, caso contrário estão a fazer o mesmo que uma certa classe política "que mente e engana". Informem-se primeiro antes de disparatar, caso contrário, são tudo farinha do mesmo saco!

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Camacha sem esquadra...

A Camacha já teve esquadra. Ainda não me explicaram porque a tiraram.
Depois de ler estes artigos...

e

Só posso dizer que é triste e vergonhoso ter de haver primeiro um número de crimes e queixas numa vila com mais de 10000 habitantes para então se pensar na segurança da população.

É este o país em que vivemos!
Faço eco das palavras do pároco da Camacha!

sábado, 8 de janeiro de 2011

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Se cada português consumir 100€ de produtos nacionais...

Li há pouco no facebook:
"Afirmam alguns economistas que,se cada português consumir 100€ de produtos nacionais (em vez de importados),a economia cresce acima de todas as estimativas e ainda cria 1 posto de trabalho em Portugal!
Ponham a mensagem a circular,nem que seja a 1 só pessoa, desde que circule. Quando for ao supermercado,dê preferência aos produtos de fabrico Português.
OS PRODUTOS PORTUGUESES COMEÇAM POR "560" NO CÓDIGO DE BARRAS."

A primeira pergunta óbvia é 100€ por que unidade de tempo?


Parece-me que desde que chegou a crise, só quem não é afectado por ela não olha primeiro para os preços.
Sinceramente, se tens um orçamento limitado, vais tentar maximizar o que podes comprar com ele, e estás-te nas tintas para a origem.
Há é que investigar porque é que a aberração preços nacionais mais altos existe e arranjar forma de inverter a situação, caso contrário esse apelo não passa de uma boa intenção, ou de apenas mais uma "mensagem em cadeia" (que normalmente morre em mim).

Eu já estou farto de mandar boas intenções para o inferno...
(Por algum motivo, "de boas intenções está o inferno cheio")
Cheguei a um ponto em que prefiro medidas realistas e que não venham de economistas que têm uma excelente visão teórica mas pouco realismo e pouca visão prática.

Mas, não tenho problemas em passar a mensagem, agora, como português e como matemático não acredito nem nela, nem na sua aplicabilidade.
Este blog recusa-se a utilizar o Acordo Ortográfico de 1990