sábado, 28 de maio de 2011

Jogo psicológico

"Tu já desististe de um mestrado.
Se desistes deste não és aceite em mais lado nenhum.
Vais fazer o que eu quero como eu quero."
Anónimo - 2008


Sim, eu concordo, a última frase é indecente... Foi-me dita por um professor que eu vou manter em anonimato, num semestre em que eu andava com quatro cadeiras em regime tutorial.
Depois disto, não sou obrigado a ter de aturar o mau humor nem os maus dias desse professor tendo eu estado recentemente hospitalizado e a tentar evitar situações de stress...
Aliás... neste momento, depois do último e-mail que recebi, eu até faço questão de não voltar a tê-lo como professor... mesmo que isso implique desistir disto tudo, que é o que estou a pensar seriamente em fazer.


O stress faz-me mal.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Star Trek Enterprise

Enterprise foi a última série de Star Trek produzida para TV. Passava-se no século XXII e era uma prequela à série Star Trek original, e a todos os seus "spin-offs" (Star Trek - The next generation, Star Trek - Deep Space Nine, Star Trek - Voyager, e ainda, os 10 primeiros filmes Star Trek)
Mas os problemas de fazer uma prequela para um produto com tantas histórias, começaram logo no primeiro episódio.
A humanidade lançou para o espaço a NX-01 Enterprise... Nave que não aparecia no primeiro filme Star Trek, onde o Almirante James T. Kirk mostra "todas as anteriores naves Enterprise".
Num episódio de Star Trek (a série original) diz-se que o primeiro contacto com o Klingons foi um desastre... Bem, de facto, o primeiro Klingon que aparece em Enterprise supostamente foi o primeiro visto pelos humanos.. leva um tiro.
A Enterprise tinha um aspecto mais sofisticado e avançado que a USS Enterprise NCC 1701 da série dos anos 60, que se passava no século XXIII.
Apareceram Ferengis e Borgs com quem supostamente a humanidade só teria o primeiro contacto no século XXIV (em episódios de Star Trek, The next generation), e as broncas sucederam-se, até ao princípio da 4ª época.
Os escritores meteram uma "Temporal Cold War" como história de background e que bem aproveitada poderia, vá, lá por exemplo, colocar explícitamente Enterprise numa realidade paralela.
Mas isso não aconteceu...
Num episódio, algures na primeira época alguém do futuro impediu a explosão da Enterprise. Isto seria suficiente para os escritores conseguirem dar a volta à história e mandar-nos para a tal realidade paralela...(nop.. não o fizeram)
Até ao fim da 2ª época as audiencias foram descendo.
Os produtores decidiram voltar a colocar "Star Trek" no nome da série, passando a chamar-se "Star Trek Enterprise".
Não foi a mudança de nome, nem alterações de enrredo que melhoraram significativamente as audiencias.
No princípio da 4ª época a série melhorou imenso: corrigiram-se aspectos das épocas anteriores e colocram-se mais de acordo com o que se passava nas séries dos dois séculos seguintes. Mas as alterações vieram tarde e a série foi cancelada (infelizmente).
O último episódio... passou-se num holodeck, no século XXIV com personagens de Star Trek The Next generation... esquecendo que os actores envelheceram durante os anos desde o fim da série, o último episódio de Star Trek Enterprise foi colocado dentro de um episódio da última época de Star Trek The Next Generation... com um Will Riker envelhecido relativamente ao Will Riker que tínhamos visto nesse episódio, em Star Trek TNG.
Mau final de série, para uma série que podia ser épica.
Se esquecermos que a série devia ser uma prequela de Star Trek, a série foi muito boa. Mas.. haviam décadas de Star Trek a respeitar...Os produtores cometeram o grave erro de esquecer que a audiencia era a mesma.

Quando JJ Abrams pegou em Star Trek para produzir o filme de 2009, com uma viagem no tempo modificou completamente o universo Trek, e deixou bem claro num diálogo entre os oficiais na "bridge" da Enterprise, que estavam numa realidade alternativa a todo o universo trek conhecido. Assim os escritores ficaram com liberdade para inventar o que lhes apetecer e sem as restrições de décadas de história de Star Trek a respeitar.
Esta teria sido a melhor abordagem para Star Trek Enterprise.

As personagens não eram más... as histórias também não... Só a contínuidade é que foi violada.




Kobayashi Maru :Vade retro regime tutorial

Sugestão de amigo: Nunca se inscrevam em cursos (licenciaturas, pósgraduações, mestrados, doutoramentos, pós-docs, etc's) com várias cadeiras em regime tutorial. Nalgumas delas, perdem direitos, só têm deveres, e ainda têm de "ouvir" opiniões (erradas e injustas) de pessoas que acham que têm o direito de julgar e se meter na vossa vida, e de vos negar direitos que teriam se a cadeira funcionasse em regime normal...(Como por exemplo, o direito a ter problemas de saúde).

Este é um Kobayashi Maru que (quase seguramente) vai me fazer não acabar este mestrado... nem mais nenhum mestrado em lado nenhum.

Game Over!

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Kobayashi Maru (2)

Para quem não conhece o significado de Kobayashi Maru. Em Star Trek II - The wrath of Kahn (1982), é um cenário de vitória impossível. Noto, que não é de vitória difícil, mas sim de vitória impossível. Quem quiser saber de mais detalhes que veja o filme.... O Star Trek de 2009 também aborda o conceito, mas percebe-se melhor no filme 1982.
[No de 2009 vemos Kirk a fazer batota e a vencer o cenário e por isso não ficamos com a ideia de vitória impossível]
Kobayashi Maru é o nome de uma nova secção deste blog, sobre situações de "vitória impossível"

terça-feira, 24 de maio de 2011

Kobayashi Maru?

Muitas vezes temos de fazer escolhas e somos confrontados com as consequencias dessas mesmas escolhas.
As minhas escolhas são consequencias de um grande conjunto de factores, e costuma ter em vista o melhor cenário possível.
Por vezes esse "melhor cenário" possível é mau, levando-me a pensar que ou decidi mal, ou então... "se isto é assim nem quero pensar como seria se eu tivesse decidido de outra forma".
Mas, olhando para trás...vejo a única forma de tomar decisões de outra forma seria sabendo o que sei hoje, e que por pior que seja a minha situação, ela é a melhor possível.

De facto... por vezes a vida é uma bonita trampa.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Bolonha

The fewer beings who have the knowledge the more precious it becomes
Brainiac - Superman the animated series (DCAU), episodio "Stolen memories"

[Não é esta a filosofia do processo de Bolonha?]

há tempos deixaram o episódio no youtube, e partilhei aqui no blog, mas como acabou por ser retirado do youtube por violação de copyright, também removi daqui.


Para mim, esta série animada foi a melhor série do Superman que já vi.
Muita gente pode dizer que "Batman - The animated series" é melhor... eu não contesto. Mas eu sou mais fã do kryptoniano.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

FAITH OF THE HEART

by Diane Warren and Russell Watson

It's been a long road getting from there to here
It's been a long time, but my time is finally near
and I can feel the change in the wind right now
Nothing's in my way
and they're not gonna hold me down no more
No they're not gonna hold me down
Cause I've got faith of the heart I'm going where my heart will take me
I've got faith to believe I can do anything
I've got strength of the soul and no one's gonna bend or break me
I can reach any star, I've got faith, I've got I've got I've got faith... faith of the heart

It's been a long night trying to find my way
Been through the darkness, now I've finally had my day
and I will see my dream come alive at last I will touch the sky
And they're not gonna hold me down no more no they're not gonna change my mind

Cause I've got faith of the heart I'm going where my heart will take me
I've got faith to believe I can do anything
I've got strength of the soul and no one's gonna bend or break me
I can reach any star, I've got faith, I've got I've got I've got faith... faith of the heart

I'm going where the winds so cold, to see the darkest days
But now the winds are free...only winds have changed
I've been to the fire and I've been to the rain
But I'll be fine cause I've got faith… faith of the heart

Cause I've got faith of the heart I'm going where my heart will take me
I've got faith to believe I can do anything
I've got strength of the soul and no one's gonna bend or break me
I can reach any star, I've got , I've got I've got I've got faith....faith of the heart
faith of the heart I'm going where my heart will take me
I've got faith to believe and no one's gonna bend or break
I can reach any star, cause I've got faith, cause I've got faith, faith of the heart


(Música do genérico de "Enterprise / Star Trek - Enterprise" ... provavelmente a mais controversa de todas as séries de Star Trek, mas com uma excelente letra que se adapta a muitos cenários...)

domingo, 15 de maio de 2011

Uma paciência de Job

No final do século passado, um ano antes de acabar a minha licenciatura, estive hospitalizado, e num quarto isolado durante um mês.
As visitas foram muito limitadas, afinal eu estava isolado por um motivo...
Durante um mês, algumas pessoas que eu conhecia há anos mas com quem eu raramente me cruzava visitaram-me e aproveitaram para criticar o meu tipo de vida, que diga-se, de passagem, não conheciam.
O diagnóstico, feito pelos médicos apontou para algo que eu não tinha como controlar até ter sido hospitalizado.
Recentemente, a história repetiu-se. Voltei a estar hospitalizado. Estando eu longe da Madeira há cerca de 5 anos (só passo por lá no Verão e no Natal), o mesmo tipo de críticas voltou a surgir... por telefone, mais uma vez de pessoas que não fazem ideia do meu tipo de vida. E até de pessoas que acabaram de me conhecer e que não fazem mesmo ideia do que dizem...
A quantidade de barbaridades que tenho de ouvir quando tenho problemas de saúde é bem pior que os problemas de saúde em si.
Aliás... Da última vez que saí do hospital, as ordens médicas foram para levar a minha "vida normal que costumava levar".
Quem me conhece bem, e sabe o tipo de vida que eu levo... para começar... não me trata por "Carlos"... que é o nome do meu pai.
Mas ... eu vivo sozinho há cerca de 5 anos. Muito raramente tenho colegas seja em casa, seja a fazer seja lá o que for que ande a fazer.
A "pessoa" que passa mais tempo comigo é o Scratchy, o meu já velhinho portátil.
Eu não vou dar a ninguém, detalhes do meu estado de saúde.
Mas garanto que ouvir mais de uma dúzia de pessoas fazer críticas (distintas e erradas) sobre a minha vida, a minha saúde, e até sobre a minha vida pessoal é daquelas coisas que muitas vezes me faz pensar "ainda bem que vivo sozinho". Se não tiraram um curso de medicina, não estão a tratar do meu caso, e não conhecem resultados nenhuns de exames que eu tenha feito... façam-me um favor: Guardem a vossa opinião.
Porque eu considero isto bullying.
Façam um favor melhor a si mesmos: metam-se nas vossas vidas e não formulem opiniões sobre assuntos que não percebem.
A minha vida não é um jogo de futebol sobre o qual todo e qualquer idiota tem uma opinião...
Se a ideia é fazer críticas negativas, estando eu doente ou em recuperação, acreditem que eu não me importo de estar sozinho.
Mandem um email...
Fico a saber quem devo marcar como spam.
É preciso saber ouvir todo o tipo de críticas sim.
Mas há certas alturas em que eu prefiro ouvi-las de quem SABE do que fala...

PS:- esta frase dá-vos direito a falar de toda a nossa classe política, a quem só interessa fazer política e não, tratar de assuntos de interesse nacional.
-Para justificar o título deste post:
http://en.wikipedia.org/wiki/Book_of_Job

Sobre o festival eurovisão...


Isto é algo a pensar agora nesta campanha eleitoral... Só quem estiver satisfeito com a situação actual do paíse volta a votar "nos mesmos"... seja direita ou esquerda: não quero um governo nem com socialistas nem com sociais democratas. Seja Louçã, Portas ou Jerónimo... tanto me faz: Não quero nenhum dos outros 2.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Contactos, clones e ideias

Passei grande parte dos últimos 5 anos da minha vida sozinho.
É verdade que tencionava só passar 2 anos nesta "vida". Isto não é vida, mas tem de ter um nome, e a melhor aproximação ainda é "vida".
Muitas vezes é confortável esta "solidão". Não há conflitos, não há chatices...
Mas a troca de ideias com pessoas principalmente da área em que eu trabalho é algo de que eu muitas vezes sinto falta.
Ter 4 cadeiras em regime tutorial num semestre é tremendamente cansativo, para qualquer ser humano normal ( É quase um Kobayashi Maru )
Quanto mais para alguém com problemas de saúde.
O regime tutorial só costuma funcionar quando há muito poucos alunos.
Nem dava para discutir assuntos por telefone ou chat a não ser com os professores...
Duas cadeiras em regime tutorial e 3 em regime "normal" parece-me o ideal...
Faz-me alguma impressão só estar rodeado de gente bem mais nova, ou ver amigos e antigos colegas com a minha idade casados, já com 2/3 filhos.
Fico feliz por eles. Não foi esse o caminho que a minha "vida" levou.
Ainda tive azares que me obrigaram a tomar decisões que noutras circunstâncias ninguém tomaria. E ainda há quem me pergunte se eu estou "bom da cabeça".
Se calhar não. Mas recordo que de facto não conheço absolutamente ninguém que trabalhe em Matemática que seja completamente "normal".
Provavelmente este é o preço que tenho de pagar se quero ser um matemático sério.
E se o preço é esse... pagá-lo-ei.
Há um ano e alguns meses atrás, lembrei-me de uma brincadeira que fiz há uns anos.. uma foto montagem, em que eu e outros 2 eus estávamos a a trabalhar.
Repeti a brincadeira... juntei texto, e...
Durante alguns meses, uma sequência de 6 ou 7 fotos acompanhadas de textos onde eu e os meus duplicados, a que chamei indevidamente "clones", - mas que provavelmente tornou a piada mais acessível a muita gente- discutíamos todo o tipo de disparates, foi parar ao meu facebook.

O facebook, o msn, o gtalk, o skype, o telemovel e todos esses meios electrónicos não substituem o contacto real com as pessoas.
Os meus "clones" não são reais... (mas divertem-me).
Por vezes, quando estou cansado e incapaz de trabalhar, escolho aleatoriamente pessoas no meu email/sms e mando-lhes uma mensagem.
" Olá.. como vai a vida..."
Se obtiver resposta... óptimo. Vamos lá trocar emails. :)
Se não obtiver... simples, vamos lá escolher outra pessoa.
Por vezes, é o suficiente para ganhar energia e motivação para trabalhar... e às vezes de uma conversa que não tem nada de especial, surge uma ideia.
E as ideias são a melhor matéria prima com que se faz Matemática.
Depois de ter voltado a estar internado... cortei a internet no telemóvel.
Passo menos tempo ligado à net (incrível não é?)
E passo mais tempo a ler...
As pessoas andam ocupadas... eu também.
E a "vida" continua.

PS: neste conjunto totalmente desconexo de ideias deve haver uma que preste

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Bullying


A menina que chamas de gorda, passa dias sem comer para perder peso.
O menino que chamas de burro, quem sabe tenha problemas de aprendizagem.
A menina que acabaste de chamar de feia passa horas a arranjar-se para que pessoas como tu a aceitem.
O menino que provocas e gozas na escola, pode receber maus tratos em casa e só estarás a contribuir para destruir a sua auto-estima.
Se és contra o BULLYING, compartillha!

Cruzei-me com isto hoje no facebook...
O Facebook é provavelmente uma das maiores perdas de tempo da actualidade... No entanto, serve para passar mensagens.
Este blog recusa-se a utilizar o Acordo Ortográfico de 1990