terça-feira, 22 de abril de 2014

Afinal era pirâmide. Ooooh!

Em Abril do ano passado publiquei aqui no blog um texto sobre esquemas ilegais.
Muita gente (mas muita mesmo) tentou me chatear para aderir ao que tinha todo aspecto de ser mais um esquema em pirâmide.
"Não é pirâmide, é multi-nível!" insistiram alguns!
 Sentei-me. Fiz as contas. Vi uma progressão geométrica mensal. Progressões geométricas não são sutentáveis, chamem-lhe o que quiserem, e venham lá com a conversa que vierem!
"Não se informem por fora, informem-se junto aos divulgadores" - A conversa típica dos esquemas em pirâmide.

"Falei com um gestor que me disse que isto é seguro!"-Disseram vários.
"Eu sou matemático, e fiz as contas: Isto não é sustentável"-Cheguei a responder!
"Tu és é do contra e quem é do contra não vai a lado nenhum!"-Insultando a minha inteligência é que não se vai a lado nenhum, mas enfim...
Ao fim de um ano, o esquema continuava por aí! Para alimentar esta pirâmide tinham de estar envolvidas centenas de milhares de pessoas! Se não, de onde vinha o dinheiro? Lavagem de dinheiro? Cada vez mais o esquema me parecia imoral, e cada vez mais eu via pessoas a serem arrastadas para ele.
Continuei a alertar quem tinha o mau senso de me convidar e ainda argumentar:
"Vai chegar a uma altura em que os lucros não cobrem as despesas da empresa!"
Obviamente, sendo um esquema em pirâmide, muita gente ganhou imenso com isso.
E muitos que perderam o que os outros ganharam.Não é difícil perceber como ganhar dinheiro num esquema em pirâmide...
Portanto, muita gente que já sabia que era pirâmide meteu-se no esquema. E até ganhou com isso.
Não consigo deixar de olhar para esse lucro como "dinheiro imoral", mas é lucro! Imoral é enganar as pessoas, vendendo gato por lebre, como faziam muitos "promotores".
Porque não chamam estes tipos pelo nome? Charlatães e Vigaristas!
E porque é que por cá, para não variar ninguém vai preso e é expropriado do "lucro" imoral?
Enquanto nada for feito estes esquemas vão continuar a proliferar.
Estes esquemas supostamente são ilegais... mas proliferam, muita gente ganha com isso, ninguém vai preso, e os que perderam..."que se lixem"?

Desde que a falência da TelexFree foi declarada que chovem notícias. Algumas envolvem o FBI e outras autoridades. Outras, como estas,...

Noticias ao Minuto:cidadãos nacionais entre os-maiores credores da TelexFree

Lembro-me de ter visto defensores da TelexFree a insultarem quem fez avisos publicamente, até em jornais regionais...

Portanto eu só tenho uma coisa a dizer:

BEM FEITO, EU AVISEI!

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Todas as minhas amigas são lindas...

Se discordar que alguma o seja... é uma questão de beber mais algumas cervejas.

PS: A beleza é um conceito relativo. Está nos olhos de quem vê.

domingo, 6 de abril de 2014

A matri... correcção! As redes sociais!

"As redes sociais são os piores inimigos dos desempregados, 
que passam demasiado tempo agarrados ao Facebook 
e vivem uma vida que é uma total ilusão" 
Isabel Jonet Presidente do Banco Alimentar Contra a Fome à Rádio Renascença

Li esta frase recentemente ao passar pelo DN-Madeira.
Bem... Eu diria que as redes sociais são os piores inimigos de quem passa demasiado tempo agarrado a elas, e não propriamente dos desempregados.
O mundo das redes sociais é um mundo virtual, construído sobre o mundo real, e que na realidade... é artificial.
As pessoas vão para lá, dizem o que pensam, por mais disparatado que seja, muitas vezes sem sequer pensar no assunto.
Com isto não tenho qualquer problema (e eu não sou grande exemplo porque às vezes faço o mesmo)...
O problema é que entre muitas outras coisas as pessoas também interpretam tudo à sua maneira, sentem-se alvos de coisas que não lhes são dirigidas, "fazem filmes", e criam conflitos que na verdade também deviam ser peças de ficção.. mas não o são.
Façam algo mais saudável!

De vez em quando desliguem o computador e os telemóveis, ou, se não o querem fazer, que utilizem essas tecnologias para algo mais produtivo!

É saudável ir de vez em quando lá para fora... viver no mundo real!

sábado, 5 de abril de 2014

Pensamento do dia de ontem.

Pensamento do dia: "Isto de aturar putos que não gostam de Matemática... Para o ano fazemos assim: perguntamos aos putos se gostam de Matemática. Se disserem não, pagam o dobro. Se disserem que sim e depois se descaírem... passam a pagar o triplo (...). "

Ás vezes... apetece mesmo!

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Cuidado com as generalizações....(Adolescentes)

Encontrei recentemete esta imagem no facebook.
É uma versão adulterada de uma anedota que se conto aos meus explicandos de 12º.
"O que é uma criança complexa?"
"É uma criança com uma mãe real e um pai imaginário.


Parece-me exagerado dizer que todos os adolescentes são complexos e que todos têm pais imaginários!
Mas, há mais de metade da minha vida que trabalho com adolescentes (até prefiro alargar para o grupo designado pelo termo em inglês "teenagers" (pessoas com idades entre os 13 e os 19).
Para saber que com eles todo o cuidado é pouco.
Não pensam nem falam como os adultos, acham que sabem muito (alguns até acham que sabem tudo, dada a sua vastíssima experiencia de vida).
Não é de agora!
Há muitos anos um colega alertou-me: "Tem cuidado com o que dizes e como dizes! Eles não pensam como nós (adultos)."
E de facto, ao longo dos anos fui aprendendo a valorizar este conselho deste meu colega.
Por a culpa nos pais, como faz esta versão adulterada da piada, também é errado. Está-se a generalizar por generalizar. É como ver "1+1=2", "5+1=6", "2013+1=2014" e concluir que adicionando 1 a qualquer número se obtém um número par (o que sabemos ser falso ... por exemplo 2+1=3 que é impar!)
Se os teenagers são complexos?
Sim, são!
Sempre foram e sempre serão, tenham lá que tipo de pais tiverem!
É preferível deixar a psicologia de um adolescente para quem supostamente percebe do assunto, nomeadamente médicos e psicólogos.
No meu caso, eu apenas sei o que fui aprendendo ao longo da vida e que é... definitivamente, pouco!
Portanto, não vou dissertar num blog na internet sobre o assunto.
Apenas sei que já me deram dores de cabeça suficientes na vida, e que não há um algoritmo 100% eficaz para lidar com eles...

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Um país endividado, as pessoas endividadas e ... isto.

Sortear carros de luxo com as faCturas que as pessoas são OBRIGADAS a passar é mesmo gozar com a cara do povo.
No meu caso, nem tenho carta nem ganho o suficiente para alimentar um bicho daqueles.
Como eu, vários milhares de pessoas.
Parece mesmo que quem teve a ideia estava a pensar naquele líder parlamentar que "não podia andar de Renault Clio".

Desde há muito que é claro que temos uma classe política (Desde a Assembleia da República à presidência da República, e os que aspiram a esses cargos) que não conhece o país em que vivemos, ou vive num mundo à parte.

A nossa classe política vive numa situação de luxo quando comparada com o cidadão médio.
E certamente, não será a única classe a viver acima das possibilidades do povo.

É isto aquilo a que chamam democracia? Ou será por ser República? Ou pior ainda, ninguém quer saber?

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Ossos do ofício


Ser explicador está bem longe de alguma vez ter sido a minha profissão de sonho.
Na prática, por vezes acabo a ter de trabalhar com uma maioria de pessoas que detesta aquilo que eu adoro.
Nos mais novos faço o esforço de descobrir a razão desse "ódio"... e por vezes consigo invertê-lo. Segue-se o trabalho por gosto e os sucessos.
Há caso em que o problema é simplesmente preguiça. Alunos que sem essa preguiça nunca teriam procurado explicações.
(Há muita gente bem inteligente que fica com falta de bases por "preguiça", e depois... segue-se um inferno)

Nos mais velhos, é mais complicado. Depois de uma longa história de insucessos as pessoas desmoralizam e deixam de acreditar em si.
Eu, teimosamente, insisto com as pessoas para que trabalhem fora da explicação, ou, principalmente para os alunos que têm poucas explicações por semana, a explicação trará poucos resultados...
É natural que nos primeiros tempos hajam muitos erros, muitas falhas, pois errar faz parte do processo.

Dizer a uma pessoa que teve imensos insucessos que essa pessoa melhorará, parece gozar com ela.
Mas não é. A experiencia tem me mostrado exactamente isso.

É fundamental trabalhar.
Quem não quer trabalhar, não deve procurar explicações.
Agradeço haver pessoas a pagar... mas se não estiverem dispostas a trabalhar, por favor, fiquem com o dinheiro...

Os resultados não surgem de um dia para o outro... mas sem trabalho... não surgem nunca!
Por melhor que seja o professor ou o explicador... é preciso por mãos à obra!
Gostem ou não, precisam de passar a Matemática.
Da minha parte, preferia que ganhassem algum gosto por ela.

Qual é a culpa que a Matemática tem de haver factores humanos que fazem as pessoas desgostar?

Na verdade, nem é preciso haver um explicador para melhorarem os resultados, mas isso é outra história. Por exemplo, conheço pelo menos um caso de uma rapariga que melhorou imenso porque namorava um rapaz que percebia de Matemática e passou a gostar daquilo.
(Não, nem pensem no assunto! Nada de tentar engatar-me só para melhorarem a Matemática! Serve como piada, mas na realidade... desprezo certo tipo de oportunismo...)
Mas há uma lição a tirar deste exemplo. O namorado serviu de catalizador...
Não precisa ser um namorado/namorada. Basta alguém da confiança do aluno, que o oriente.
Em tempos de crise, nem todos podem pagar um explicador, mesmo que os preços sejam o mais baratos possível.
(Acreditem, eu sei... por vezes vejo pessoas a protestar de preços, sem ter noção que eu devo dar as explicações mais baratas da Madeira... e que no passado já dei explicações à borla, só que agora, com a minha situação sócio-económica isso é impensável, a menos que seja para alguém da família)

Portanto... para essas pessoas, procurem bem dentro da família quem poderá fazer o favor de vos orientar, e boa sorte...
Para os outros... eu posso tirar esporadicamente uma ou outra dúvida  à borla por aqui.
(esporadicamente significa: não abuse, ou vai para a minha lista negra)
Ou, se me apanharem durante a semana, na parte da tarde, em horário livre...

terça-feira, 1 de abril de 2014

Confessionário... nas redes sociais.

You've tried and you failed so the lesson is: Never try.
Homer Simpson

Hoje, dia das petas, vou aproveitar para falar de um assunto sério.

Desde que tenho conta facebook que já me meti em vários mal-entendidos, que se devem ao pouco racionalismo dos envolvidos, por vezes até eu.

Por exemplo:

  • Uma vez comentei uma foto e "levei nas orelhas" por isso. Supostamente a foto era privada
    (Era? Sim, no facebook, ajuda ser bruxo)
  • O meu sentido de humor não é para todos, uma piada inofensiva para um certo grupo ou faixa etária pode não o ser para outro grupo... 
  • Também aprendi a deixar de fazer elogios. Já por várias vezes fui mal interpretado! Desde ser acusado de ser irónico a .. enfim... situações que devem causar-me embaraço até ao dia da minha morte.
  • Não tentar contrariar os programadores do facebook. Já por várias vezes tentei remover o chat daquilo.Dei-me mal! Desde a instalação de scripts escritos por terceiros que deixaram de funcionar, até à estupidez de banir pessoas sem querer (ninguém gosta de ser banido ..)... eu quero livrar-me do chat no facebook-PC! Não basta tê-lo desligado, não o quero mesmo!
  • Partilhar imagens inofensivas.. bem... o inofensivo é muito relativo! Há sempre quem se ofenda! Algumas vezes passo horas para tentar perceber o que se passa, e às vezes... não chego mesmo lá. [Chamem-me burro]
  • Uma frase a corrigir um erro matemático, pode ser considerada como rude! Bolas, há quem não se dê bem com a pontuação. Para evitar confusões, é melhor fingir que não vejo os erros...
  • É melhor habitar-se à ideia de que no facebook nada é privado, ou então a deixar de o frequentar.
  • As frases universais do facebook são uma treta... mas as pessoas não gostam de ver as suas frases "desmontadas"

As desculpas não se pedem, evitam-se. É muito fácil uma pessoa disparatar num meio tão artificial como a internet, e ninguém está imune, nem mesmo eu... Afinal somos todos humanos. Mas ser humano não é desculpa para não usar a cabeça. As pessoas magoam-se a sério. Não suporto ser mal interpretado... e fico aborrecido quando o que devia ser um sítio amigável, de entretenimento e convívio se torna num meio hostil.

Até os likes dos textos partilhados passam a likes aqui no blog sem que as pessoas se tenham dado ao trabalho de os ler... dando-me uma falsa estatística.

Certamente, voltarei a meter-me em novas encrencas, a ser mal interpretado, até ao dia em que a minha paciência decidir por a minha conta facebook de férias (já tenho uma data em vista: 1 de Julho - o Dia em que o meu fb vai de férias) ou então, ao dia em que deixar de comunicar com pessoas.
Este blog recusa-se a utilizar o Acordo Ortográfico de 1990